CONTINUA APÓS O ANÚNCIO
Brasília

PSD de Kassab votará contra reforma de Cunha

Bancada do PSD vai defender que o sistema de eleição dos deputados continue como está; a sigla avalia que não há consenso e engajamento para a aprovação de uma reforma ampla nem da proposta do "distritão", pela qual são eleitos os candidatos a deputado mais votados em cada Estado; os 20 deputados também vão propor o fim das coligações proporcionais e a modificação no sistema de sobras, que são as cadeiras não preenchidas após a divisão feita no modelo proporcional

Imagem Thumbnail
Bancada do PSD vai defender que o sistema de eleição dos deputados continue como está; a sigla avalia que não há consenso e engajamento para a aprovação de uma reforma ampla nem da proposta do "distritão", pela qual são eleitos os candidatos a deputado mais votados em cada Estado; os 20 deputados também vão propor o fim das coligações proporcionais e a modificação no sistema de sobras, que são as cadeiras não preenchidas após a divisão feita no modelo proporcional (Foto: Aquiles Lins)
CONTINUA APÓS O ANÚNCIO

✅ Receba as notícias do Brasil 247 e da TV 247 no canal do Brasil 247 e na comunidade 247 no WhatsApp.

Brasília 247 - A bancada do PSD na Câmara decidiu nesta terça-feria, 26, enfrentar a proposta de reforma política patrocinada pelo presidente Eduardo Cunha (PMDB-RJ), e vai defender que o sistema de eleição dos deputados continue como está. O principal líder da legenda, ministro Gilberto Kassab, se reuniu nesta manhã com o presidente do PSD, Guilherme Campos, com o líder da bancada, Rogério Rosso (DF), e outros 20 deputados da sigla.

A avaliação do partido é de que não há consenso e engajamento para a aprovação de uma reforma ampla nem da proposta do "distritão", que é a bandeira do PMDB, pela qual são eleitos os candidatos a deputado mais votados em cada Estado. 

CONTINUA APÓS O ANÚNCIO

O PSD vai propor o fim das coligações proporcionais. A possibilidade de união entre as siglas para a eleição de deputados e vereadores é um dos pontos mais atacados no atual sistema. Isso porque frequentemente partidos sem qualquer alinhamento programático se coligam, levando eleitores a ajudar candidatos com os quais não guardam nenhuma afinidade.

Os aliados de Kassab pretendem também modificar o sistema de sobras, que são as cadeiras não preenchidas após a divisão feita no modelo proporcional. A ideia é dificultar a eleição de parlamentares beneficiados por "puxadores" de votos. A proposta em estudo determina que um candidato de um partido só poderá ser eleito por meio das sobras se receber votos equivalentes a pelo menos 15% do quociente eleitoral de seu Estado.

CONTINUA APÓS O ANÚNCIO

iBest: 247 é o melhor canal de política do Brasil no voto popular

Assine o 247, apoie por Pix, inscreva-se na TV 247, no canal Cortes 247 e assista:

Cortes 247

CONTINUA APÓS O ANÚNCIO
CONTINUA APÓS O ANÚNCIO
CONTINUA APÓS O ANÚNCIO