Renan articula mudanças em lei de delações

Em guerra contra o procurador-geral Rodrigo Janot, o presidente do Senado, Renan Calheiros (PMDB-AL), quer acrescentar em projetos que já tramitam no Congresso pelo menos três modificações: fixar um prazo para que delatores apresentem provas documentais; proibir delação no caso de réu ou investigado que esteja preso; e revogar automaticamente o segredo de Justiça de processos com delação ou mesmo anular delações premiadas cujo conteúdo seja vazado para a imprensa

Em guerra contra o procurador-geral Rodrigo Janot, o presidente do Senado, Renan Calheiros (PMDB-AL), quer acrescentar em projetos que já tramitam no Congresso pelo menos três modificações: fixar um prazo para que delatores apresentem provas documentais; proibir delação no caso de réu ou investigado que esteja preso; e revogar automaticamente o segredo de Justiça de processos com delação ou mesmo anular delações premiadas cujo conteúdo seja vazado para a imprensa
Em guerra contra o procurador-geral Rodrigo Janot, o presidente do Senado, Renan Calheiros (PMDB-AL), quer acrescentar em projetos que já tramitam no Congresso pelo menos três modificações: fixar um prazo para que delatores apresentem provas documentais; proibir delação no caso de réu ou investigado que esteja preso; e revogar automaticamente o segredo de Justiça de processos com delação ou mesmo anular delações premiadas cujo conteúdo seja vazado para a imprensa (Foto: Roberta Namour)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

247 – Em guerra contra o procurador-geral Rodrigo Janot, o presidente do Senado, Renan Calheiros (PMDB-AL), articula mudanças na lei sobre a delação premiada.

Segundo reportagem de Vandson Lima e Andrea Jubé, ele quer acrescentar em projetos que já tramitam no Congresso pelo menos três modificações: fixar um prazo, possivelmente de 45 dias, para que delatores apresentem provas documentais do que contaram às autoridades; proibir delação no caso de réu ou investigado que esteja preso; e revogar automaticamente o segredo de Justiça de processos com delação ou mesmo anular delações premiadas cujo conteúdo seja vazado para a imprensa.

Os alvos de Renan são dois projetos parados na Comissão de Constituição e Justiça (CCJ) do Senado: um tem como objeto o compartilhamento de informações prestadas por delatores com as CPIs e o outro, de autoria da senadora Gleisi Hoffmann (PT-PR), já prevê a revogação do segredo de Justiça na hipótese de divulgação indevida de informações pelos meios de comunicação (leia aqui).

Participe da campanha de assinaturas solidárias do Brasil 247. Saiba mais.

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247