Renan se rebela e MP do ajuste vira projeto de lei

Presidente do Senado, Renan Calheiros (PMDB-AL), demonstrou nesta terça-feira, 3, sua insatisfação com o governo Dilma Rousseff; Renan anunciou a devolução ao Executivo da MP 669, editada no último dia 27, que reduz o benefício fiscal de desoneração da folha de pagamento de 56 segmentos da economia; Renan Calheiros avaliou não ser um bom sinal à estabilidade econômica o aumento de tributos por medidas provisórias; e criticou a presidente; "Não dá, na democracia, para continuar usurpando o papel do Legislativo. Para qualquer ajuste fiscal é preciso primeiro ouvir o Congresso Nacional", disse; rapidamente, o governo reenviou a proposição em forma de projeto de lei com urgência constitucional

Presidente do Senado, Renan Calheiros (PMDB-AL), demonstrou nesta terça-feira, 3, sua insatisfação com o governo Dilma Rousseff; Renan anunciou a devolução ao Executivo da MP 669, editada no último dia 27, que reduz o benefício fiscal de desoneração da folha de pagamento de 56 segmentos da economia; Renan Calheiros avaliou não ser um bom sinal à estabilidade econômica o aumento de tributos por medidas provisórias; e criticou a presidente; "Não dá, na democracia, para continuar usurpando o papel do Legislativo. Para qualquer ajuste fiscal é preciso primeiro ouvir o Congresso Nacional", disse; rapidamente, o governo reenviou a proposição em forma de projeto de lei com urgência constitucional
Presidente do Senado, Renan Calheiros (PMDB-AL), demonstrou nesta terça-feira, 3, sua insatisfação com o governo Dilma Rousseff; Renan anunciou a devolução ao Executivo da MP 669, editada no último dia 27, que reduz o benefício fiscal de desoneração da folha de pagamento de 56 segmentos da economia; Renan Calheiros avaliou não ser um bom sinal à estabilidade econômica o aumento de tributos por medidas provisórias; e criticou a presidente; "Não dá, na democracia, para continuar usurpando o papel do Legislativo. Para qualquer ajuste fiscal é preciso primeiro ouvir o Congresso Nacional", disse; rapidamente, o governo reenviou a proposição em forma de projeto de lei com urgência constitucional (Foto: Aquiles Lins)

247 com Agência Senado - 

O presidente do Senado, Renan Calheiros (PMDB-AL), anunciou nesta terça-feira, 3, que vai devolver ao Executivo a medida provisória editada no último dia 27 que reduz o benefício fiscal de desoneração da folha de pagamento de 56 segmentos da economia (MP 669/2015). O benefício existe desde 2011. Ele observou que não se pode considerar urgente a medida já que a criação ou elevação de tributos têm um prazo de 90 dias para entrar em vigor. Rapidamente, o governo devolveu a proposta em formato de Projeto de Lei com urgência constitucional.

Antes do anúncio em Plenário, Renan Calheiros avaliou não ser um bom sinal para o ajuste da democracia e para a estabilidade econômica o aumento de tributos por medidas provisórias. "Para qualquer ajuste é preciso primeiro ouvir o Congresso Nacional. O governo editou medidas provisórias no recesso. Afetou trabalhadores. Agora, afeta o custo de produção. Aumenta imposto por medida provisória. O melhor sinal da estabilidade e do ajuste que o Brasil pode emitir é o funcionamento das suas instituições", afirmou Renan.

Renan afirmou que os parlamentares reclamaram muito da edição da MP 669/2015. "Não dá, na Democracia, para continuar usurpando o papel do Legislativo. Como presidente do Congresso Nacional, cabe a mim zelar pelo papel constitucional do Legislativo", completou.

A desoneração da folha foi adotada pelo governo a partir de 2011 para reduzir os gastos com a mão de obra e estimular a economia. Com a medida provisória da última sexta-feira, 27, quem pagava alíquota de 1% de contribuição previdenciária sobre a receita bruta passa agora para 2,5%. Quem tinha alíquota de 2% vai para 4,5%.

Renan disse que não se pode considerar urgente a medida provisória já que, segundo ele, a criação ou elevação de tributos têm prazo de 90 dias para entrar em vigor e que, por isso, o reajuste poderia ser editado por meio de um projeto de lei. Ele também disse que qualquer medida de ajuste fiscal deve ser, antes, analisada pelo Congresso Nacional.

"Não é um bom sinal para um ajuste, para a democracia, para a estabilidade econômica, aumentar impostos por medida provisória. [Para] qualquer ajuste, é preciso primeiro ouvir o Congresso Nacional", disse Renan Calheiros. "Esse é um péssimo sinal de instabilidade jurídica que o Brasil emite", completou.

Senadores de oposição elogiaram a atitude de Renan Calheiros. Aécio Neves (PSDB-MG), candidato derrotado à Presidência da República fez um discurso de apoio à medida. Governistas, como Lindbergh Farias (PT-RJ) e Gleisi Hoffmann (PT-PR), protestaram. Segundo Farias, a decisão de Renan era motivada por um suposto "ressentimento" em relação à presidente Dilma Rousseff.

DILMA APRESENTA PL COM URGÊNCIA CONSTITUCIONAL 

A presidente Dilma Rousseff assinou agora à noite um Projeto de Lei com urgência constitucional que retoma os termos da MP 669/15, que alterava as alíquotas de desonerações das folhas de pagamento. O Projeto de Lei prevê a mudança nas alíquotas das desonerações dentro de 90 dias, a chamada noventena, o mesmo prazo previsto na MP 669/15. Isso significa que a substituição da MP pelo Projeto de Lei não trará prejuízo para o ajuste fiscal pretendido pelo Governo Federal.

 

Conheça a TV 247

Ao vivo na TV 247 Youtube 247