Secretário 'saliva ódio aos indígenas', diz presidente da Funai, que pediu demissão

O general do Exército Franklimberg Ribeiro de Freitas, da reserva, anunciou sua saída do cargo de presidente da Funai; Freitas disse a servidores do órgão que Jair Bolsonaro está sendo mal assessorado na questão indígena; ele apontou a influência negativa do secretário especial de Assuntos Fundiários do Ministério da Agricultura, Nabhan Garcia, que, segundo Freitas, "saliva ódio aos indígenas"

Secretário 'saliva ódio aos indígenas', diz presidente da Funai, que pediu demissão
Secretário 'saliva ódio aos indígenas', diz presidente da Funai, que pediu demissão (Foto: Tânia Rêgo/Agência Brasil)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

247 - O general do Exército Franklimberg Ribeiro de Freitas, da reserva, anunciou sua saída do cargo de presidente da Funai. Freitas disse a servidores do órgão que Jair Bolsonaro está sendo mal assessorado na questão indígena. Ele apontou a influência negativa do secretário especial de Assuntos Fundiários do Ministério da Agricultura, Nabhan Garcia, que, segundo Freitas, "saliva ódio aos indígenas".

A reportagem do jornal Folha de S. Paulo destaca a fala de Freitas: "quem assessora o senhor presidente não tem conhecimento de como funciona o arcabouço jurídico que envolve a Fundação Nacional do Índio. O presidente está muito mal assessorado a respeito da condução da política indigenista no país. E quem assessora o senhor presidente da República é o senhor Nabhan. Que, quando fala sobre indígena, saliva ódio aos indígenas."

A matéria ainda acrescenta que "o general afirmou ainda que Nabhan, a quem chamou de 'esse cidadão', "queria acabar" com o DPT (Departamento de Proteção Territorial da Funai, setor responsável pela proteção, identificação e demarcação de terras indígenas, entre outras atividades). Ele também disse que a Funai é vista 'como óbice ao desenvolvimento nacional' por integrantes do governo no tema do licenciamento ambiental necessário para grandes empreendimentos."

 

Participe da campanha de assinaturas solidárias do Brasil 247. Saiba mais.

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247