Senadora conhecida como 'Moro de saias' deixa o PSL

Insultada e ameaçada por Flávio Bolsonaro, a senadora Selma Arruda (MT), conhecida como 'Moro de saias', decidiu sair do PSL. “São coisas graves, é uma pressão que vem de todo lado – e é por isso que eu vou sair do PSL (...) Na próxima quarta—feira vou me filiar ao Podemos”

CPI de Brumadinho (CPIBRUM) realiza reunião deliberativa para apreciação do plano de trabalho e de requerimentos.   À bancada, em pronunciamento, senadora Selma Arruda (PSL-MT).   Foto: Geraldo Magela/Agência Senado
CPI de Brumadinho (CPIBRUM) realiza reunião deliberativa para apreciação do plano de trabalho e de requerimentos. À bancada, em pronunciamento, senadora Selma Arruda (PSL-MT). Foto: Geraldo Magela/Agência Senado (Foto: Geraldo Magela)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

247 - Insultada e ameaçada por Flávio Bolsonaro, a senadora Selma Arruda (MT) decidiu sair do PSL. “São coisas graves, é uma pressão que vem de todo lado – e é por isso que eu vou sair do PSL (...) Na próxima quarta—feira vou me filiar ao Podemos”.

A senadora não explicitou as “coisas graves”, mas disse que foi “pressionada por membros do PSL” para retirar sua assinatura do pedido para a instalação da CPI da Lava Toga. 

A reportagem do jornal O Estado de S. Paulo destaca que "o único nome que [a senadora] citou foi o do senador Flávio Bolsonaro, igualmente do PSL e filho do presidente da República. Também alegou, entre os motivos da saída, a “falta de solidariedade” do PSL em relação ao processo de cassação de seu mandato, em andamento no Tribunal Superior Eleitoral."

A matéria relembra a trajetória da senadora: "Selma Arruda – 56 anos, 22 deles como juíza - fez a campanha com as bandeiras do candidato Bolsonaro e da operação Lava Jato. Foi eleita em primeiro lugar com 678.542 votos (24,65% dos válidos). Nem tinha assumido o mandato quando, em janeiro deste ano, o Tribunal Regional Eleitoral do Mato Grosso desaprovou suas contas de campanha por unanimidade. Uma segunda decisão unânime do mesmo"

Participe da campanha de assinaturas solidárias do Brasil 247. Saiba mais.

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247