Servidor que soltou ratos é ligado a Paulinho

O servidor da Câmara Márcio Marins de Oliveira, que soltou ratos na sessão da CPI da Petrobras em que foi ouvido o tesoureiro do PT, João Vaccari Neto, tem ligações estreitas com deputado Paulo Pereira da Silva (SD/SP), de quem foi secretário parlamentar; no ano passado, ele também ajudou a recolher assinaturas para a formação do partido Solidariedade; depois do incidente desta quinta-feira, ele foi exonerado, por ordem do presidente da casa, Eduardo Cunha (PMDB/RJ) 

O servidor da Câmara Márcio Marins de Oliveira, que soltou ratos na sessão da CPI da Petrobras em que foi ouvido o tesoureiro do PT, João Vaccari Neto, tem ligações estreitas com deputado Paulo Pereira da Silva (SD/SP), de quem foi secretário parlamentar; no ano passado, ele também ajudou a recolher assinaturas para a formação do partido Solidariedade; depois do incidente desta quinta-feira, ele foi exonerado, por ordem do presidente da casa, Eduardo Cunha (PMDB/RJ) 
O servidor da Câmara Márcio Marins de Oliveira, que soltou ratos na sessão da CPI da Petrobras em que foi ouvido o tesoureiro do PT, João Vaccari Neto, tem ligações estreitas com deputado Paulo Pereira da Silva (SD/SP), de quem foi secretário parlamentar; no ano passado, ele também ajudou a recolher assinaturas para a formação do partido Solidariedade; depois do incidente desta quinta-feira, ele foi exonerado, por ordem do presidente da casa, Eduardo Cunha (PMDB/RJ)  (Foto: Leonardo Attuch)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

Brasília 247 - O servidor público que soltou ratos na Câmara dos Deputados, durante a sessão da CPI da Petrobras que interrogou João Vaccari Neto, tesoureiro do PT, tem ligações com o deputado Paulo Pereira da Silva (SD/SP), o Paulinho da Força.

Lotado na 2ª Vice-Presidência da Câmara, comandada pelo deputado Fernando Giacobo (PR-PR), ele já foi secretário parlamentar no gabinete do deputado Paulinho. Antes disso, participou da coleta de assinaturas para o Partido Solidariedade e foi acusado de entregar fichas falsificadas (saiba mais aqui).

Por decisão do presidente da Câmara, Eduardo Cunha (PMDB-RJ), ele foi exonerado. Leia, abaixo, reportagem da Agência Brasil:

Presidente da Câmara determina demissão de servidor que soltou ratos na CPI

Yara Aquino - Repórter da Agência Brasil

O presidente da Câmara dos Deputados, Eduardo Cunha (PMDB-RJ), determinou a exoneração do servidor da Casa que soltou ratos hoje (9),  no plenário da Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) da Petrobras. O tumulto ocorreu antes do depoimento do tesoureiro do PT, João Vaccari Neto. A informação foi dada no plenário pelo presidente da CPI da Petrobras,deputado Hugo Motta (PMDB-PB).

“O presidente [da Câmara, Eduardo Cunha] já demitiu sumariamente o servidor que causou o problema no início de  nossa reunião. O servidor está demitido, e será punido na forma da lei. Vamos cobrar que providências sejam tomadas”, disse Motta.

Segundo o presidente da CPI, o servidor comissionado Márcio Martins de Oliveira era lotado na segunda vice-presidência da Câmara, controlada pelo deputado Fernando Giacobo (PR-RR).

Os ratos foram soltos no plenário logo após a chegada de Vaccari na CPI. Após o incidente, o relator da CPI da Petrobras, deputado Luiz Sérgio (PT-RJ), disse que o episódio foi uma “ação encomendada” e um “circo armado” que depõe contra o Parlamento brasileiro.

Participe da campanha de assinaturas solidárias do Brasil 247. Saiba mais.

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247