STF analisa prisão de Cunha e aliados tentam salvar mandato

"Se for decretada, a prisão terá de ser referendada pelo plenário da Câmara. Adversários de Cunha dizem que já se formou no plenário da Câmara uma maioria folgada pró-cassação. Nessa versão, a oferta de renúncia ao comando da Casa teria chegado tarde demais. Pode ser. Mas não convém baixar a guarda. No Legislativo brasileiro, nada tem história e pouca gente tem biografia. Se permitirem que Cunha salve o mandato, ele acabará substituindo Paulo Maluf como símbolo da reabsolvição eterna", diz Josias de Souza  

"Se for decretada, a prisão terá de ser referendada pelo plenário da Câmara. Adversários de Cunha dizem que já se formou no plenário da Câmara uma maioria folgada pró-cassação. Nessa versão, a oferta de renúncia ao comando da Casa teria chegado tarde demais. Pode ser. Mas não convém baixar a guarda. No Legislativo brasileiro, nada tem história e pouca gente tem biografia. Se permitirem que Cunha salve o mandato, ele acabará substituindo Paulo Maluf como símbolo da reabsolvição eterna", diz Josias de Souza
 
"Se for decretada, a prisão terá de ser referendada pelo plenário da Câmara. Adversários de Cunha dizem que já se formou no plenário da Câmara uma maioria folgada pró-cassação. Nessa versão, a oferta de renúncia ao comando da Casa teria chegado tarde demais. Pode ser. Mas não convém baixar a guarda. No Legislativo brasileiro, nada tem história e pouca gente tem biografia. Se permitirem que Cunha salve o mandato, ele acabará substituindo Paulo Maluf como símbolo da reabsolvição eterna", diz Josias de Souza   (Foto: Roberta Namour)

247 – O grupo de Cunha insiste em articular a salvação do mandato dele no plenário da Casa. Simultaneamente, o STF analisa a hipótese de prender o deputado.

“Alega-se que Cunha, apesar de suspenso, continuou operando como se nada tivesse sido descoberto sobre ele. Se for decretada, a prisão terá de ser referendada pelo plenário da Câmara”, lembra Josias de Souza.

“Adversários de Cunha dizem que já se formou no plenário da Câmara uma maioria folgada pró-cassação. Nessa versão, a oferta de renúncia ao comando da Casa teria chegado tarde demais. Pode ser. Mas não convém baixar a guarda. No Legislativo brasileiro, nada tem história e pouca gente tem biografia. Se permitirem que Cunha salve o mandato, ele acabará substituindo Paulo Maluf como símbolo da reabsolvição eterna”, acrescenta (leia aqui).

Conheça a TV 247

Ao vivo na TV 247 Youtube 247