STF cogita impedir Cunha de assumir presidência, sem afastá-lo do cargo

Como o deputado Eduardo Cunha (PMDB-RJ) é, na prática, o vice-presidente da República de Michel Temer, sendo réu em vários processos por corrupção, o STF estuda impedir que ele assuma o cargo, durante eventuais ausências de Temer; nessas ocasiões, ele seria substituído pelo senador Renan Calheiros (PMDB-AL), que, embora seja alvo de diversas denúncias, ainda não é réu

Como o deputado Eduardo Cunha (PMDB-RJ) é, na prática, o vice-presidente da República de Michel Temer, sendo réu em vários processos por corrupção, o STF estuda impedir que ele assuma o cargo, durante eventuais ausências de Temer; nessas ocasiões, ele seria substituído pelo senador Renan Calheiros (PMDB-AL), que, embora seja alvo de diversas denúncias, ainda não é réu
Como o deputado Eduardo Cunha (PMDB-RJ) é, na prática, o vice-presidente da República de Michel Temer, sendo réu em vários processos por corrupção, o STF estuda impedir que ele assuma o cargo, durante eventuais ausências de Temer; nessas ocasiões, ele seria substituído pelo senador Renan Calheiros (PMDB-AL), que, embora seja alvo de diversas denúncias, ainda não é réu (Foto: Leonardo Attuch)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

247 – Uma reportagem da jornalista Carolina Brígido (leia aqui) informa que o Supremo Tribunal Federal pode encontrar uma maneira de tirar o deputado Eduardo Cunha (PMDB-RJ) da linha de sucessão da República, mesmo sem afastá-lo do cargo.

"Ministros do Supremo Tribunal Federal (STF) estão discutindo, nos bastidores, uma alternativa ao afastamento do presidente Eduardo Cunha (PMDB-RJ) do cargo de presidente da Câmara e do mandato parlamentar. Por falta de argumento jurídico forte o suficiente, a Corte manteria Cunha em sua cadeira. Em contrapartida, ele ficaria proibido de assumir a Presidência da República, deixando assim, formalmente, a linha sucessória prevista na Constituição Federal. Em caso de vacância, o principal posto do Palácio do Planalto seria ocupado pelo vice-presidente. Na ausência do vice, o substituto previsto é o presidente da Câmara", diz ela.

Sem Cunha, o segundo na linha sucessória passaria a ser o senador Renan Calheiros (PMDB-AL). "No caso de Cunha ficar proibido de exercer o cargo, a linha sucessória prevista na Constituição seguiria sem ele. Temer seria substituído, em caso de ausência, pelo presidente do Senado, Renan Calheiros (PMDB-AL), e, na sequência, pelo presidente do STF, ministro Ricardo Lewandowski", informa a jornalista. "Embora ele responda a 11 inquéritos no STF, ainda não foi aceita nenhuma denúncia contra o senador."

 

O conhecimento liberta. Saiba mais

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247