TCU ignora parecer técnico e blinda Padilha

Os ministros do Tribunal de Contas da União (TCU) ignoraram um relatório técnico e excluíram o ministro-chefe licenciado da Casa Civil, Eliseu Padilha, de processo que cobrava pagamento de R$ 7,2 milhões por obras superfaturadas em 2001, ano em que comandava o Ministério dos Transportes no governo Fernando Henrique; relator do caso no TCU, o ministro Bruno Dantas contrariou o parecer dos auditores e considerou que a sugestão para responsabilizar Padilha era desproporcional, blindando assim o ministro

Brasília - O ministro da Casa Civil, Eliseu Padilha fala com jornalistas após reunião ministerial sobre os Jogos Olímpicos Rio 2016 (José Cruz/Agência Brasil)
Brasília - O ministro da Casa Civil, Eliseu Padilha fala com jornalistas após reunião ministerial sobre os Jogos Olímpicos Rio 2016 (José Cruz/Agência Brasil) (Foto: Giuliana Miranda)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

Brasília 247 - Na contramão de um relatório técnico do Tribunal de Contas da União (TCU), os ministros da Corte de contas excluíram o ministro-chefe licenciado da Casa Civil, Eliseu Padilha, de processo que cobrava pagamento de R$ 7,2 milhões por obras superfaturadas em 2001, ano em que comandava o Ministério dos Transportes no governo Fernando Henrique. O ministro Bruno Dantas , relator do caso, ignorou o parecer dos auditores e considerou que a sugestão para responsabilizar Padilha era desproporcional.

As informações são de reportagem de Gabriela Valente em O Globo

"No relatório, os auditores defenderam a condenação dos responsáveis pelo convênio firmado sem respaldo técnico pelo repasse de recursos federais para obras superfaturadas no Tocantins. Os técnicos alegam que Padilha assinou o convênio sem sequer avaliar a análise técnica de viabilidade. Ou seja, a União repassou dinheiro para obras sem nenhum estudo dos custos da obra. Na documentação, os auditores encontraram apenas a avaliação jurídica. “Um gestor de média diligência não cometeria a mesma falha, pois trata-se de um cuidado básico, trivial, de garantir eficiência na aplicação dos recursos federais nesses convênios firmados pelo Ministério dos Transportes”, aponta o parecer dos técnicos. “Percebe-se de imediato que os responsáveis pelo débito são os agentes relacionados com a celebração do convênio, haja vista o nexo de casualidade entre suas condutas e o dano ao erário”.

Para o ministro Bruno Dantas, a responsabilização seria 'desproporcional'. Ele diz que a 'omissão' em solicitar parecer sobre a viabilidade do convênio deve ser tratada apenas como uma 'irregularidade pontual', cuja responsabilidade não pode recair sobre um ministro de Estado."

Participe da campanha de assinaturas solidárias do Brasil 247. Saiba mais.

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247