TSE determina que WhatsApp revele se empresas fizeram disparos massivos na eleição de 2018

O ministro Og Fernandes, corregedor-geral do Tribunal Superior Eleitoral (TSE) determinou que o WhatsApp informe se empresas produziram disparos em massa durante as eleições de 2018. Tim, Vivo, Claro, Algar e Oi forneceram números para o Tribunal. No despacho, o ministro dá 72 horas para o WhatsApp informar se os telefones informados fizeram disparos em massa

Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

247 - O ministro Og Fernandes, corregedor-geral do Tribunal Superior Eleitoral (TSE) determinou que o WhatsApp informe se empresas produziram disparos em massa durante as eleições de 2018. Tim, Vivo, Claro, Algar e Oi forneceram números para o Tribunal. No despacho, o ministro dá 72 horas para o WhatsApp informar se os telefones informados fizeram disparos em massa. 

A reportagem do jornal Folha de S. Paulo destaca que a decisão "além disso, requer informações sobre se foram tomadas medidas de bloqueio ou banimento das contas citadas entre os dias 14 de agosto e 28 de outubro de 2018. Os números citados pertencem às empresas Quickmobile, Yacows, Croc Services e SMSMarket.

A matéria ainda relembra que "reportagem (...) de 2018 mostrou que agências compravam centenas de chips de celular e os registravam em nome de terceiros, de forma fraudulenta, e não em nome próprio ou de seus sócios, como aponta documento de um ex-funcionário da Yacows apresentado por ele à Justiça do Trabalho e obtido pelo jornal."
 

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247