UnB registrou 193 ocorrências em 2011

Furtos em interior de veculos representam 43% dos crimes; s na primeira semana de 2012 duas professoras tiveram seus carros arrombados

Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

Agência UnB - Duas professoras foram vítimas de furto na primeira semana do ano no campus Darcy Ribeiro da Universidade de Brasília. Vitória Ferrari, da Faculdade de Arquitetura e Urbanismo, e Maria Lúcia Leal, do Departamento de Serviço Social, encontraram seus carros arrombados e sem os pneus reservas após deixarem os veículos estacionados enquanto trabalhavam em suas unidades acadêmicas. Os dois casos ocorreram à luz do dia, no estacionamento da Ala Norte do Instituto Central de Ciências.

Embora o número de ocorrências tenha caído no ano passado em relação a 2010 e os crimes reflitam uma realidade que atinge todo o Plano Piloto, os dois furtos colocaram em alerta o Conselho Comunitário de Segurança da UnB. "Até o final de janeiro, aprovaremos o termo de referência para contratação de empresa especializada para elaborar um plano de segurança para a Universidade", anunciou Carolina Cássia, decana de Assuntos Comunitários e presidente do conselho. "Queremos um plano que atenda a nova realidade da UnB, que cresceu não só no número de alunos e professores, como também em espaço físico", completou.

Além do plano de segurança, a Prefeitura deverá fazer licitação para a compra de mais câmeras de vigilância, segundo Damião de Sousa, coordenador técnico do Centro de Manutenção de Equipamentos. Atualmente, existem 30 delas espalhadas no campus. Entre os técnicos que conhecem a realidade da UnB, seria necessário multiplicar esse número no mínimo por dez, levando em conta a necessidade de fiscalizar espaços externos e internos.

A compra do sistema em funcionamento, que custou R$ 1,3 milhão, faz parte de uma série de ações que a Universidade vem implantando para diminuir as ocorrências policiais no campus. Hallen Pereira, engenheiro responsável pelo monitoramento das câmeras, defende que o projeto venha acompanhado da poda sistemática das árvores, corrigindo um problema do atual sistema - a coleta de imagens é prejudicada pelas folhas das grandes copas.

Estepes

O agente da 2ª Delegacia de Polícia, Wavison Akson, responsável pela ronda na Universidade, alerta que furto de estepes é o crime mais comum no campus Darcy Ribeiro. Das 193 ocorrências registradas ano passado pela Coordenadoria de Proteção ao Patrimônio, órgão da Prefeitura da UnB, 43% foram de furto em interior de veículo, o equivalente a 83 ocorrências.

O número é ainda maior que o anotado pela 2ª DP. Em 2011, o órgão registrou 80 furtos em interior de veículos no Darcy Ribeiro, uma queda de 25% em relação a 2010. A maior parte dos casos ocorreu entre às 9h e 14h, horário em que as duas professoras foram vítimas dos furtos. Vitória Ferrari percebeu que o carro estacionado na entrada no Minhocão havia sido arrombado às 12h50 desta terça-feira ,3. "Tomei um susto. O vidro estava quebrado", conta.

A cena é a mesma descrita por Maria Lúcia Leal, que teve um prejuízo ainda maior. Além do estepe, os ladrões carregaram uma mala cheia de roupas e objetos que a professora levaria em viagem à Espanha. Somando o conserto do vidro, a perda foi de R$ 1,5 mil. O furto aconteceu entre 11h30 e 12h10, na rua paralela aos bambuzais, também na entrada do Minhocão. "Estou indignada. Eu estava trabalhando e, de repente, me vejo totalmente desprotegida", desabafou.

Pessoal

Dois policiais militares fazem a ronda diária no campus, que conta ainda com 120 vigilantes do quadro e 144 terceirizados, mesma relação funcional de 500 porteiros. O número é considerado insuficiente por Eraldo Vieira, coordenador substituto de segurança da UnB. "São seis milhões de metros quadrados para vigiar. Não tenho gente nem equipamentos para isso", afirma.

É da responsabilidade do vigilante, entre outras coisas, percorrer a área sob sua responsabilidade, escoltar e proteger as autoridades indicadas, além de vigiar a entrada e saída das pessoas ou bens. Aos porteiros cabe fiscalizar, observar, orientar e controlar a entrada e saída de pessoas, materiais e equipamentos. Eles recebem, identificam e encaminham essas pessoas e equipamentos aos seus destinatários, dentro ou fora do horário de funcionamento da UnB.

A Universidade de Brasília não tem poder de força polícial. A equipe de segurança é responsável pela segurança patrimonial, conforme o artigo 99 do Código Civil, que classifica a instituição na categoria de bem público especial. Já os espaços abertos, como o estacionamento, são bens de uso comum. A segurança desses espaços compete à Polícia Militar. "O papel da equipe que vigia o campus é o de entrar em contato com a polícia quando observa algo errado e não omitir socorro", afirma Eraldo Vieira

Recomendações

• procurem locais iluminados para estacionar

• objetos como bolsa, celular, casaco, CDs, livros e documentos não devem ser deixados à mostra no interior do automóvel

• ao sair do veículo, o condutor deve verificar se as portas e os vidros estão totalmente fechados e o volante travado

• o motorista deve evitar tocar no local atingido para que as digitais e provas não sejam ofuscadas, o que atrapalha o trabalho da perícia

• em casos de furto, a vítima deve ligar no número 190 ou procurar a delegacia mais próxima

• a pessoa pode procurar o Posto Policial que fica ao lado da Prefeitura (3307-2870) ou a Coordenadoria de Proteção ao Patrimônio (COPP), que fica na praça Chico Mendes (3107-5851)

O conhecimento liberta. Saiba mais. Siga-nos no Telegram.

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247

WhatsApp Facebook Twitter Email