CONTINUA APÓS O ANÚNCIO
Brasília

Weber concede direito do silêncio a investigado da SBM Offshore

A ministra Rosa Weber, do Supremo Tribunal Federal, concedeu nesta segunda (8) ao empresário Júlio Faerman, um dos investigados na Operação Lava Jato, o direito de ficar em silêncio no depoimento que prestará amanhã (9) à CPI da Petrobras; com a decisão, Faerman também não poderá ser obrigado a assinar termo de compromisso para dizer a verdade e poderá ser assistido por seu advogado; Faerman atuava como representante da empresa holandesa SBM Offshore e intermediava o pagamento de propinas a dirigentes e funcionários da Petrobras

Imagem Thumbnail
A ministra Rosa Weber, do Supremo Tribunal Federal, concedeu nesta segunda (8) ao empresário Júlio Faerman, um dos investigados na Operação Lava Jato, o direito de ficar em silêncio no depoimento que prestará amanhã (9) à CPI da Petrobras; com a decisão, Faerman também não poderá ser obrigado a assinar termo de compromisso para dizer a verdade e poderá ser assistido por seu advogado; Faerman atuava como representante da empresa holandesa SBM Offshore e intermediava o pagamento de propinas a dirigentes e funcionários da Petrobras (Foto: Valter Lima)
CONTINUA APÓS O ANÚNCIO

✅ Receba as notícias do Brasil 247 e da TV 247 no canal do Brasil 247 e na comunidade 247 no WhatsApp.

Agência Brasil - A ministra Rosa Weber, do Supremo Tribunal Federal, concedeu hoje (8) ao empresário Júlio Faerman, um dos investigados na Operação Lava Jato, o direito de ficar em silêncio no depoimento que prestará amanhã (9) à CPI da Petrobras. Com a decisão, Faerman também não poderá ser obrigado a assinar termo de compromisso para dizer a verdade e poderá ser assistido por seu advogado.

De acordo com as investigações da Operação Lava Jato, Faerman atuava como representante da empresa holandesa SBM Offshore e intermediava o pagamento de propinas a dirigentes e funcionários da Petrobras.

CONTINUA APÓS O ANÚNCIO

No mês passado, o presidente da CPI, deputado Hugo Motta (PMDB-PB), pediu à Polícia Federal e à Interpol a prisão preventiva de Faerman. O argumento de Motta para justificar o pedido é que as investigações indicam a participação de Faerman no esquema de “desvio de verbas públicas” e pagamento de propina.

 

CONTINUA APÓS O ANÚNCIO

iBest: 247 é o melhor canal de política do Brasil no voto popular

Assine o 247, apoie por Pix, inscreva-se na TV 247, no canal Cortes 247 e assista:

Cortes 247

CONTINUA APÓS O ANÚNCIO
CONTINUA APÓS O ANÚNCIO
CONTINUA APÓS O ANÚNCIO