Cid Gomes propõe CPI para investigar “conluio” de Moro com promotores

O senador Cid Gomes (PDT-CE) propôs na tarde desta quarta-feira (19) a abertura de uma CPI para investigar os escândalos da Operação Lava Jato em que o ministro da Justiça, Sérgio Moro, interfere no trabalho de procuradores. A proposta do parlamentar foi feita durante sabatina dele na CCJ (Comissão de Constituição e Justiça). “Proponho que investigue se houve conluio entre o poder judiciário, o integrante da magistratura, e o Ministério Público, o que certamente compromete qualquer processo, o funcionamento da democracia”, disse Gomes durante questionamento ao ex-juiz

(Foto: Esq.: Geraldo Magela - Ag. Senado / Dir.: Marcelo Camargo - Agência Brasil)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

247 - O senador Cid Gomes (PDT-CE) propôs na tarde desta quarta-feira (19) a abertura de uma CPI para investigar os escândalos da Operação Lava Jato revelados pelo site Intercept Brasil em que o ministro da Justiça, Sérgio Moro, interfere no trabalho de procuradores. A proposta do parlamentar foi feita durante sabatina dele na CCJ (Comissão de Constituição e Justiça).

“Proponho que investigue se houve conluio entre o poder judiciário, o integrante da magistratura, e o Ministério Público, o que certamente compromete qualquer processo, o funcionamento da democracia”, disse Gomes durante seu período de fala e questionamento ao ministro da Justiça.

De acordo com o parlamentar, a CPI também serviria para investigar violações do sigilo de telecomunicações de autoridades, visando garantir a segurança e privacidade das comunicações dos cidadãos.

O conhecimento liberta. Saiba mais. Siga-nos no Telegram.

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247

WhatsApp Facebook Twitter Email