Delator diz que tratou propina de R$ 1 mi com Lobão

Na época ministro de Minas e Energia, o empreiteiro Ricardo Pessoa afirma que a suposta propina negociada com Edison Lobão (PMDB-MA) serviria para garantir contratos nas obras da usina nuclear Angra 3, em Angra dos Reis (RJ); o dono da UTC vinculou os benefícios aos caciques do PMDB no Senado; a empreiteira integra um consórcio formado pela Camargo Corrêa, Andrade Gutierrez e Odebrecht, com contrato firmado em 2003 no valor de R$ 3,1 bilhões

Na época ministro de Minas e Energia, o empreiteiro Ricardo Pessoa afirma que a suposta propina negociada com Edison Lobão (PMDB-MA) serviria para garantir contratos nas obras da usina nuclear Angra 3, em Angra dos Reis (RJ); o dono da UTC vinculou os benefícios aos caciques do PMDB no Senado; a empreiteira integra um consórcio formado pela Camargo Corrêa, Andrade Gutierrez e Odebrecht, com contrato firmado em 2003 no valor de R$ 3,1 bilhões
Na época ministro de Minas e Energia, o empreiteiro Ricardo Pessoa afirma que a suposta propina negociada com Edison Lobão (PMDB-MA) serviria para garantir contratos nas obras da usina nuclear Angra 3, em Angra dos Reis (RJ); o dono da UTC vinculou os benefícios aos caciques do PMDB no Senado; a empreiteira integra um consórcio formado pela Camargo Corrêa, Andrade Gutierrez e Odebrecht, com contrato firmado em 2003 no valor de R$ 3,1 bilhões (Foto: Roberta Namour)

247 - O dono da UTC, Ricardo Pessoa, disse em delação premiada que negociou diretamente com o senador Edison Lobão (PMDB-MA) propina de R$ 1 milhão. Na época ministro de Minas e Energia, o empreiteiro afirma que a suposta propina serviria para garantir contratos nas obras da usina nuclear Angra 3, em Angra dos Reis (RJ). O dono da UTC vinculou os benefícios aos caciques do PMDB no Senado.

A UTC integra um consórcio formado pela Camargo Corrêa, Andrade Gutierrez e Odebrecht, com contrato firmado em 2003 no valor de R$ 3,1 bilhões. 

De acordo com registros do Tribunal Superior Eleitoral (TSE), a direção do PMDB em Alagoas, recebeu um repasse da UTC de R$ 500 mil em agosto e outro de R$ 500 mil em setembro de 2014. No ano passado, o filho de Renan Calheiros, Renan Filho (PMDB), foi eleito governador de Alagoas. 

O PMDB de Roraima, comandado pelo senador Romero Jucá, recebeu três repasses de R$ 1,5 milhão ao todo, também em agosto e setembro de 2014. Na Bahia, o diretório recebeu R$ 300 mil e a direção nacional do partido, mais R$ 500 mil.

Conheça a TV 247

Mais de Nordeste

Ao vivo na TV 247 Youtube 247