Dino cria comboio e leva combustível para postos, ônibus e serviços essenciais

Operação do governo do Maranhão criou escolta policial para caminhões-tanque circularem em São Luís e no interior para abastecimento de postos e serviços essenciais; "Embora a responsabilidade seja da União, entramos com a segurança para garantir os serviços essenciais, o funcionamento do transporte coletivo e também o abastecimento das cidades”, disse o governador Flávio Dino

Operação do governo do Maranhão criou escolta policial para caminhões-tanque circularem em São Luís e no interior para abastecimento de postos e serviços essenciais; "Embora a responsabilidade seja da União, entramos com a segurança para garantir os serviços essenciais, o funcionamento do transporte coletivo e também o abastecimento das cidades”, disse o governador Flávio Dino
Operação do governo do Maranhão criou escolta policial para caminhões-tanque circularem em São Luís e no interior para abastecimento de postos e serviços essenciais; "Embora a responsabilidade seja da União, entramos com a segurança para garantir os serviços essenciais, o funcionamento do transporte coletivo e também o abastecimento das cidades”, disse o governador Flávio Dino (Foto: Voney Malta)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

Maranhão 247 - A operação montada pelo Governo do Maranhão para reduzir os efeitos da crise federal de combustível levou neste sábado (26) abastecimento para postos de gasolina e serviços essenciais. Foram cerca de 70 caminhões-tanque abastecidos e circulando com escolta policial em São Luís. No interior, ações também estão em curso.

“Tivemos a escolta, o apoio da polícia. Foi efetiva, apoiou a gente. E graças a Deus estou aqui no posto para atender a população”, diz Itabajara Nogueira, motorista de um dos caminhões abastecidos na operação dentro da capital maranhense.

Com o comboio, os veículos conseguiram captar o combustível e levar para postos e serviços essenciais, como ambulâncias e ônibus. Uma força conjunta entre Polícia Militar, Bombeiros e Polícia Rodoviária Federal faz a escolta dos caminhões.

São diversos secretarias e órgãos envolvidos. Também participa a Secretaria Municipal de Transportes de São Luís.

“Há uma crise federal nesse setor dos combustíveis. Embora a responsabilidade seja do Governo Federal, entramos com o sistema de segurança do Estado para garantir os serviços essenciais, o funcionamento do transporte coletivo e também a retomada do abastecimento das cidades”, disse o governador Flávio Dino.

Ele comandou uma reunião no Porto do Itaqui para traçar outras ações e a ampliação da operação conjunta que ameniza os impactos da crise federal de combustíveis.

Rotas

“Conseguimos estabelecer várias rotas de abastecimento, inicialmente na Ilha de São Luís. Pouco a pouco, isso vai se regularizando e, com isso, a gente vai conseguindo devolver às cidades uma situação de normalidade. E, claro, esperando que o Governo Federal resolva esse problema que foi criado e, com isso, tenhamos os direitos da população assegurados”, acrescentou o governador.

O presidente da Agência de Mobilidade Estadual (MOB), Lawrence Melo Pinheiro, afirmou que “a mensagem que a gente passa para a sociedade é que o transporte público urbano e semiurbano da capital está garantido. Também garantimos que o ferry-boat vai continuar funcionando normalmente”.

De acordo com o presidente da Empresa Maranhense de Administração Portuária (Emap), Ted Lago, o Porto do Itaqui está abastecido de combustível. “O nosso trabalho agora é fazer esse produto escoar.”

Interior

Ted Lago contou que o planejamento para abastecer cidades do interior está em curso: “Começamos uma operação similar em Imperatriz e Açailândia, utilizando a base do Terminal Ferroviário de Açailândia”.

O presidente da MOB, Lawrence Melo, acrescentou que “em alguns municípios onde temos linha férrea, vamos levar o combustível de trem. A partir daí, teremos caminhões-tanque também com escolta policial”.

A normalização da situação depende da liberação da BR, já que algumas áreas não são alcançadas por ferrovias

Participe da campanha de assinaturas solidárias do Brasil 247. Saiba mais.

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247