Dino: juiz e procurador não podem praticar atos políticos para interferir em outro país

"Soberania: não podemos aceitar que um juiz ou procurador de outro país interfiram em assuntos internos do Brasil. Simetria: juiz e procurador do Brasil não podem praticar atos políticos para interferir em outro país. Qualquer que seja ele. Basta cumprir artigo 4º da Constituição", afirmou o governador do Maranhão, Flávio Dino

247 - O governador do Maranhão, Flávio Dino, repudiou o fato de o ex-juiz Sérgio Moro ter sugerido ao procurador Deltan Dallagnol o vazamento de dados  da Obebrecht sobre supostos pagamentos na Venezuela. O objetivo da Operação Lava Jato seria desestabilizar o governo Nicolás Maduro, conforme revelou reportagem do Intercept Brasil em parceria com o jornal Folha de S.Paulo.

"Soberania: não podemos aceitar que um juiz ou procurador de outro país interfiram em assuntos internos do Brasil. Simetria: juiz e procurador do Brasil não podem praticar atos políticos para interferir em outro país. Qualquer que seja ele. Basta cumprir artigo 4º da Constituição", escreveu o parlamentar no Twitter.

"Está revelado no Brasil um estranho acúmulo ilegal de cargos públicos: pessoas exercendo simultaneamente funções de juiz, procurador e político. E ainda se autodenominam de 'agentes da lei'. Qual lei ? Onde há 'vale-tudo', não há lei", complementou.

Conheça a TV 247

Mais de Nordeste

Ao vivo na TV 247 Youtube 247