Dino sobre fuga de presos: 'importante para entender a situação que herdamos'

Governador Flávio Dino determinou aos secretários Jefferson Portela (Segurança) e Murilo Andrade (Administração Penitenciária) apuração rigorosa e imediata sobre o resgate de quatro presos do Centro de Detenção Provisória (CDP); pelo Twitter, o gestor classificou as falhas como "inadmissíveis"; "Sobre fugas em Pedrinhas, chama atenção a violência dessas quadrilhas que atuam no Maranhão. Importante para entender situação o que herdamos", disse o gestor, em referência ao governo Roseana sarney; a partir de 2013, o Complexo Penitenciário de Pedrinhas foi palco de várias rebeliões; desde então, foram registradas 79 mortes de detentos

Governador Flávio Dino determinou aos secretários Jefferson Portela (Segurança) e Murilo Andrade (Administração Penitenciária) apuração rigorosa e imediata sobre o resgate de quatro presos do Centro de Detenção Provisória (CDP); pelo Twitter, o gestor classificou as falhas como "inadmissíveis"; "Sobre fugas em Pedrinhas, chama atenção a violência dessas quadrilhas que atuam no Maranhão. Importante para entender situação o que herdamos", disse o gestor, em referência ao governo Roseana sarney; a partir de 2013, o Complexo Penitenciário de Pedrinhas foi palco de várias rebeliões; desde então, foram registradas 79 mortes de detentos
Governador Flávio Dino determinou aos secretários Jefferson Portela (Segurança) e Murilo Andrade (Administração Penitenciária) apuração rigorosa e imediata sobre o resgate de quatro presos do Centro de Detenção Provisória (CDP); pelo Twitter, o gestor classificou as falhas como "inadmissíveis"; "Sobre fugas em Pedrinhas, chama atenção a violência dessas quadrilhas que atuam no Maranhão. Importante para entender situação o que herdamos", disse o gestor, em referência ao governo Roseana sarney; a partir de 2013, o Complexo Penitenciário de Pedrinhas foi palco de várias rebeliões; desde então, foram registradas 79 mortes de detentos (Foto: Leonardo Lucena)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

Maranhão 247, com Blog do Jorge Vieira - O governador Flávio Dino determinou aos secretários Jefferson Portela (Segurança) e Murilo Andrade (Administração Penitenciária) apuração rigorosa e imediata sobre o resgate de quatro presos do Centro de Detenção Provisória (CDP), na madrugada do último domingo, 5. Pelo Twitter, o gestor afirmou que "as falhas operacionais de agentes públicos estão sendo apuradas, posto que inadmissíveis".

"Sobre fugas em Pedrinhas, chama atenção a violência dessas quadrilhas que atuam no Maranhão. Importante para entender situação o que herdamos", disse. "Durante anos essas quadrilhas foram crescendo no Maranhão, sem combate adequado. Hoje têm imenso poderio, que usam diariamente".

A falta de mobilização das forças de segurança para impedir o ataque dos bandidos foi recebida com indignação pelo núcleo duro do governo. A polícia monitorou o deslocamento do grupo criminoso em direção a Pedrinhas, horas antes do ataque.

No entanto, falhas operacionais comprometeram a reação do sistema de segurança do Estado à ação criminosa dos bandidos.

De acordo com nota divulgada pelas Secretarias de Segurança e de Administração Penitenciária, "foi instaurado processo administrativo para apurar o caso com o necessário rigor, identificar as falhas e eventuais responsáveis para que sejam adotadas as medidas cabíveis".

Age com responsabilidade e celeridade o governador Flávio Dino em exigir a completa apuração do caso para que haja punição de eventuais envolvidos e correção de procedimentos para que as forças de segurança se imponham e acabem com a ousadia dos criminosos, que afronta a sociedade.

O Complexo Penitenciário de Pedrinhas é palco de várias rebeliões desde 2013, quando a crise no sistema carcerário maranhense começara a ganhar repercussão nacional. Desde então, foram registradas 79 mortes de detentos.

Participe da campanha de assinaturas solidárias do Brasil 247. Saiba mais.

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247