Ex-secretário de Roseana terá R$ 3 mi bloqueados

Além da responsabilidade criminal sobre o esquema de pagamento de propina para adiantamento de precatórios no Maranhão, descoberto na gestão da ex-governadora Roseana Sarney pela PF durante a Operação Lava Jato, a Justiça busca ressarcir o rombo feito aos cofres públicos e por isso pediu o bloqueio de bens do ex-secretário João Abreu no valor de R$ 3 milhões; a quantia corresponde ao valor da propina que ele teria recebido quando era chefe da Casa Civil no governo Roseana; em depoimento à Polícia Civil, o ex-secretário confirmou que teria um encontro com Alberto Youssef no dia em que o doleiro foi preso - 17 de março de 2014; Abreu foi preso

Além da responsabilidade criminal sobre o esquema de pagamento de propina para adiantamento de precatórios no Maranhão, descoberto na gestão da ex-governadora Roseana Sarney pela PF durante a Operação Lava Jato, a Justiça busca ressarcir o rombo feito aos cofres públicos e por isso pediu o bloqueio de bens do ex-secretário João Abreu no valor de R$ 3 milhões; a quantia corresponde ao valor da propina que ele teria recebido quando era chefe da Casa Civil no governo Roseana; em depoimento à Polícia Civil, o ex-secretário confirmou que teria um encontro com Alberto Youssef no dia em que o doleiro foi preso - 17 de março de 2014; Abreu foi preso
Além da responsabilidade criminal sobre o esquema de pagamento de propina para adiantamento de precatórios no Maranhão, descoberto na gestão da ex-governadora Roseana Sarney pela PF durante a Operação Lava Jato, a Justiça busca ressarcir o rombo feito aos cofres públicos e por isso pediu o bloqueio de bens do ex-secretário João Abreu no valor de R$ 3 milhões; a quantia corresponde ao valor da propina que ele teria recebido quando era chefe da Casa Civil no governo Roseana; em depoimento à Polícia Civil, o ex-secretário confirmou que teria um encontro com Alberto Youssef no dia em que o doleiro foi preso - 17 de março de 2014; Abreu foi preso (Foto: Leonardo Lucena)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

247, com Blog do Jorge Vieira - Além da responsabilidade criminal sobre o esquema de pagamento de propina para adiantamento de precatórios no Maranhão, descoberto na gestão da ex-governadora Roseana Sarney pela Polícia Federal durante a Operação Lava Jato, a Justiça do Maranhão busca ressarcir o rombo feito aos cofres públicos e por isso pediu o bloqueio de bens do ex-secretário João Abreu no valor de R$ 3 milhões. A quantia corresponde ao valor da propina que Abreu teria recebido quando era chefe da Casa Civil no governo Roseana.

Segundo informações evacuadas pela imprensa maranhense, o ex-secretário confirmou que teria um encontro com Alberto Youssef na sede do governo do Maranhão (Palácio dos Leões), no dia 17 de março de 2014 - nesta data o doleiro foi preso pela Polícia Federal (PF) no âmbito da Operação Lava Jato, em São Luís. 

O bloqueio de bens foi solicitado junto com o mandado de prisão preventiva de João Abreu expedido na última quinta-feira (24) e cumprido na sexta-feira (25). Cada vez mais a Justiça tem buscado não apenas responsabilizar os acusados de receber propina, mas também recuperar o dinheiro público desviado, como forma de inibir a corrupção e de sanar os prejuízos causados aos cofres públicos e que deveriam ter sido usados para o bem coletivo.

Mesmo com o pedido de habeas corpus encaminhado pela defesa de João Abreu à Justiça, caso seja atendido, o bloqueio de bens continuará sendo mantido devido à intenção de assegurar o reparo do prejuízo causado. João Abreu é citado nos depoimentos como tendo recebido a propina, caso seja provado que outras pessoas também receberam o dinheiro, a Justiça também cobrará dos demais envolvidos a devolução do valor desviado.

O conhecimento liberta. Saiba mais

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247