Guimarães: governo Bolsonaro faz ataque autoritário à autonomia universitária

Deputado José Guimarães (PT-CE) fez referência à MP que permite o MEC interferir em universidades e escolher reitores. "Gravíssimo", disse o parlamentar

(Foto: Divulgação)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

247 - O deputado federal José Guimarães (PT-CE) criticou o governo Jair Bolsonaro, que resolveu editar uma medida para o ministro da Educação, Abraham Weintraub, escolher reitores temporários para as universidades federais durante a pandemia do coronavírus. 

"GRAVÍSSIMO  Na calada da noite, MP de Bolsonaro dá carta branca para Weintraub escolher reitores durante a pandemia. Sem consulta à comunidade acadêmica. Presidente continua seu plano de ataque autoritário à autonomia universitária. Não vamos aceitar!", escreveu o parlamentar no Twitter.

O texto da MP sobre as intervenções nas universidades diz que "não haverá processo de consulta à comunidade, escolar ou acadêmica, ou formação de lista tríplice".

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como:

• Cartão de crédito na plataforma Vindi: acesse este link

• Boleto ou transferência bancária: enviar email para [email protected]

• Seja membro no Youtube: acesse este link

• Transferência pelo Paypal: acesse este link

• Financiamento coletivo pelo Patreon: acesse este link

• Financiamento coletivo pelo Catarse: acesse este link

• Financiamento coletivo pelo Apoia-se: acesse este link

• Financiamento coletivo pelo Vakinha: acesse este link

Inscreva-se também na TV 247, siga-nos no Twitter, no Facebook e no Instagram. Conheça também nossa livraria, receba a nossa newsletter e ative o sininho vermelho para as notificações.

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247