Jô Cavalcanti: extrema-direita usou o bordão da antipolítica, foi isso que a sociedade abraçou

A codeputada do mandato coletivo Juntas, da Assembleia Legislativa de Pernambuco, analisou, no 4º Encontro de Assinantes do 247, em Olinda, o avanço da extrema-direita no Brasil; “Eles usaram esse discurso de que ‘aqui não tem esse negócio de política’, mas o cara está lá há 30 anos e diz que não tem política, como é isso?”, questionou Jô; assista

247 - A codeputada do mandato coletivo Juntas (PSOL) Jô Cavalcanti, da Assembleia Legislativa de Pernambuco, fez um análise sobre o avanço na extrema direita no Brasil durante o 4º Encontro de Assinantes do 247, em Olinda. Segundo Jô, o discurso antipolítico foi bem recebido pela população, que fez com que a extrema-direita chegasse ao poder.

A codeputada avalia que os brasileiros passaram a desacreditar da política e, com isso, a extrema-direita fez uso desta ideia para se lançar ao poder. “O que aconteceu foi que as pessoas pararam de acreditar na política e começou essa movimentação antipolítica, de não discutir a política, de ‘a política é um nojo’ e de criminalizar todos os políticos, de sempre dizer que político bom é político na cadeia. Isso foi um estopim para que a extrema-direita esteja onde ela está hoje, eles usaram esse discurso de que ‘aqui não tem esse negócio de política’, mas o cara está lá há 30 anos e diz que não tem política, como é isso?”.

Ela ressaltou que a ideologia antipolítica chegou também ao setor mais pobre da sociedade. “Eles usaram esse bordão da antipolítica e foi isso que, de alguma forma, a sociedade começou a abraçar. Até mesmo aquele aquele camarada que é abordado pela polícia começou a usar a camisa do cara que hoje está perseguindo ele e vai perseguir mais, mais e mais”.

Como ex-vendedora ambulante, Jô Cavalcanti disse que muitos trabalhadores com emprego informal votaram no presidente Jair Bolsonaro e confiaram na ideia antipolítica. A codeputada ainda pontuou que o vendedor ambulante, ao enfrentar a prefeitura para ter direito ao trabalho, também está fazendo política. “Isso aconteceu muito, e acontece, de onde eu venho, do comércio informal. Muitos ambulantes votaram em Bolsonaro, votaram e ainda disseram que ele ia mudar. Isso é dificultoso, você está com seu camarada ali todo dia na calçada e todo dia você está tentando tirar essa ideia que está impregnada de que político não presta. Tu está aí com a sua tela e correndo da prefeitura, como é que você não está fazendo política? Você está enfrentando a prefeitura e como é que você não está fazendo política? Sua vida é política, cara!”.

Inscreva-se na TV 247 e assista à entrevista na íntegra:

Conheça a TV 247

Ao vivo na TV 247 Youtube 247