Operadores entregam planilhas com repasses a ‘representante’ de Lobão

Em delação premiada, os operadores de propinas Jorge Luz e Bruno Luz, pai e filho, afirmaram que foram feitos pagamentos a um representante do senador Edison Lobão (PMDB-MA) no âmbito de contrato entre a Petrobrás e a empresa americana Sargeant Marine; os delatores entregaram uma planilha em que a soma dos valores que envolveram o ministro e seu representante na estatal chega aos US$ 450 mil. Segundo eles, os repasses eram feitos a Murilo Barbosa Sobrinho, ligado ao peemedebista; os depoimentos foram prestados à Polícia Federal no âmbito da Operação Abate, 44.ª fase da Lava Jato

Em delação premiada, os operadores de propinas Jorge Luz e Bruno Luz, pai e filho, afirmaram que foram feitos pagamentos a um representante do senador Edison Lobão (PMDB-MA) no âmbito de contrato entre a Petrobrás e a empresa americana Sargeant Marine; os delatores entregaram uma planilha em que a soma dos valores que envolveram o ministro e seu representante na estatal chega aos US$ 450 mil. Segundo eles, os repasses eram feitos a Murilo Barbosa Sobrinho, ligado ao peemedebista; os depoimentos foram prestados à Polícia Federal no âmbito da Operação Abate, 44.ª fase da Lava Jato
Em delação premiada, os operadores de propinas Jorge Luz e Bruno Luz, pai e filho, afirmaram que foram feitos pagamentos a um representante do senador Edison Lobão (PMDB-MA) no âmbito de contrato entre a Petrobrás e a empresa americana Sargeant Marine; os delatores entregaram uma planilha em que a soma dos valores que envolveram o ministro e seu representante na estatal chega aos US$ 450 mil. Segundo eles, os repasses eram feitos a Murilo Barbosa Sobrinho, ligado ao peemedebista; os depoimentos foram prestados à Polícia Federal no âmbito da Operação Abate, 44.ª fase da Lava Jato (Foto: Leonardo Lucena)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

Maranhão 247 - Em delação premiada, os operadores de propinas Jorge Luz e Bruno Luz, pai e filho, afirmaram que foram feitos pagamentos a um representante do senador Edison Lobão (PMDB-MA) no âmbito de contrato entre a Petrobrás e a empresa americana Sargeant Marine. Os depoimentos foram prestados à Polícia Federal no âmbito da Operação Abate, a 44.ª fase da Lava Jato.

Os delatores entregaram uma planilha em que a soma dos valores que envolveram o ministro e seu representante na estatal chega aos US$ 450 mil. Segundo eles, os repasses eram feitos a Murilo Barbosa Sobrinho, ligado ao peemedebista. 

O negócio da Sargeant Marine com a Petrobrás teve como consequência a celebração de 12 contrato no valor de aproximadamente US$ 180 milhões, entre 2010 e 2013. A empresa fornecia asfalto para a estatal e foi citada na delação do ex-diretor de Abastecimento da companhia Paulo Roberto Costa.

Segundo relato do blog do Fausto Macedo, o advogado Antônio Carlos de Almeida Castro, o Kakay, que defende Lobão, “o senador não conhece nem pai nem filho, nunca ouviu falar nesta empresa que eles citam e não tem nenhum tipo de relação e nunca esteve pessoalmente com eles – salvo se participaram de alguma audiência pública. E, sobre a outra pessoa [Murilo], ele conhece, tem um relacionamento pessoal, mas nunca participou de campanha de arrecadação para ele.”

 

Participe da campanha de assinaturas solidárias do Brasil 247. Saiba mais.

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247