São Luís: morre menina queimada durante ataques

Ana Clara Santos Sousa, de 6 anos, morreu às 6h30 desta segunda-feira, depois de ter sofrido queimaduras graves durante os ataques a ônibus em São Luís, no Maranhão, na sexta-feira à noite; ela teve 95% do corpo queimados e estava internada em estado grave; sua irmã, de 1 ano e 5 meses, continua internada e seu estado de saúde é estável

Ana Clara Santos Sousa, de 6 anos, morreu às 6h30 desta segunda-feira, depois de ter sofrido queimaduras graves durante os ataques a ônibus em São Luís, no Maranhão, na sexta-feira à noite; ela teve 95% do corpo queimados e estava internada em estado grave; sua irmã, de 1 ano e 5 meses, continua internada e seu estado de saúde é estável
Ana Clara Santos Sousa, de 6 anos, morreu às 6h30 desta segunda-feira, depois de ter sofrido queimaduras graves durante os ataques a ônibus em São Luís, no Maranhão, na sexta-feira à noite; ela teve 95% do corpo queimados e estava internada em estado grave; sua irmã, de 1 ano e 5 meses, continua internada e seu estado de saúde é estável (Foto: Gisele Federicce)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

Andreia Verdélio
Repórter da Agência Brasil

Brasília – A menina Ana Clara Santos Sousa, de 6 anos, morreu nesta segunda-feira 6 às 6h30. Ela sofreu queimaduras graves durante os ataques a ônibus em São Luís, na sexta-feira (3) à noite.

Segundo informações do Hospital Estadual Juvêncio Matos, a paciente teve 95% do corpo queimados e estava internada em estado grave na UTI Pediátrica. Ainda segundo o hospital, a irmã de Ana Clara, de 1 ano e 5 meses, continua internada e seu estado de saúde é estável. Ela teve queimaduras em 20% do corpo, nas pernas e no braço. As duas estavam com a mãe em um dos ônibus incendiados. Juliane Carvalho Santos, de 22 anos, que teve 40% do corpo queimados, também continua internada no Hospital Tarquinio Lopes Filho, em São Luís.

A polícia do Maranhão deteve dez pessoas envolvidas nos ataques, entre elas dois adolescentes. Na avaliação das autoridades maranhenses, os ataques foram uma reação às medidas adotadas para combater a criminalidade nas unidades prisionais da capital, que receberam o reforço da Polícia Militar no fim de dezembro.

A crise prisional no estado veio à tona em outubro, quando houve uma rebelião no Complexo de Pedrinhas, deixando nove mortos e 20 feridos. O Complexo Penitenciário de Pedrinhas já registrou duas mortes de detentos este ano.

Ainda hoje, a governadora do Maranhão, Roseana Sarney, deve prestar informações ao procurador-geral da República, Rodrigo Janot, sobre a situação dos presídios no estado.

Quatro vítimas de ônibus incendiado no Maranhão continuam internadas

Quatro vítimas do ataque a um ônibus que foi incendiado em São Luís, na última sexta-feira (3), continuam internadas em hospitais da capital maranhense. Entre elas estão a irmã e a mãe da menina Ana Clara Santos Sousa, de 6 anos, a quinta vítima do ataque, que teve 95% do corpo queimados e morreu essa manhã.

O caso mais grave é o de Márcio Ronny da Cruz Nunes, 37 anos. Ele teve 72% do corpo queimados, segundo relato de testemunhas, ao tentar ajudar as outras vítimas a deixarem o ônibus. Segundo o diretor do Hospital Estadual Tarquínio Lopes Filho, Luiz Alfredo Soares Júnior, o paciente está internado na UTI e respira com a ajuda de aparelhos. Ele será submetido nas próximas horas a um exame de broncoscopia. A suspeita é que Nunes tenha inalado muita fumaça ou sofrido queimaduras no trato respiratório.

A irmã de Ana Clara, Lorane Beatriz Santos, de 1 ano e 5 meses, está internada no Hospital Estadual Infantil Juvêncio Matos em um leito isolado da enfermaria pediátrica. Lorane teve 20% do corpo queimados, principalmente as pernas e o braço esquerdo. Seu quadro é considerado estável. Já a mãe das crianças, Juliane Carvalho Santos, sofreu queimaduras em 40% do corpo. Juliane respira sem a ajuda de aparelhos e seu quadro também é considerado estável, embora, segundo Júnior, o estado de saúde dela ainda exija atenção.

A terceira vítima internada no Hospital Tarquínio Lopes Filho é Abiancy Silva dos Santos, de 35 anos. Ela sofreu queimaduras de segundo grau nos membros superiores, mas está estável e clinicamente bem após ter sido submetida a procedimentos cirúrgicos. A expectativa é que Abiancy receba alta ainda esta semana.

No total, quatro ônibus foram incendiados por homens armados na sexta-feira. Duas delegacias foram atingidas por tiros. As autoridades estaduais associam a onda de ataques ao início de ações do governo estadual para retomar o controle do Complexo Penitenciário de Pedrinhas e de outros estabelecimentos prisionais. De acordo com o Conselho Nacional de Justiça, ao menos 60 detentos foram mortos em presídios maranhenses durante 2013.

Participe da campanha de assinaturas solidárias do Brasil 247. Saiba mais.

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247