6 meses depois, onde estão as armas roubadas da PM?

O sumio aconteceu em fevereiro e o Inqurito Policial Militar s foi enviado ontem ao MP; entre o armamento que desapareceu, havia 300 balas de fuzil dos calibres 762 e 556

Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

Depois de meses, a promotora Isabella Lucas, da Auditoria Militar, cobrou da Polícia Militar informações sobre um suposto desvio de armas e munição ocorrido dentro do Batalhão Especial Prisional (BEP), numa sexta-feira de carnaval. Esse não é o único escândalo da Polícia Militar. Houve duas fugas de ex-policiais militares, em uma festa promovida por um miliciano regada a bebidas.

Entre o armamento que teria desaparecido da unidade em 4 de março, estão uma submetralhadora, um revólver, uma pistola, uma granada e mais de 300 balas de fuzil dos calibres 762 e 556. Além disso, um par de algemas e quatro rádios.

O relações-públicas da PM, coronel Frederico Caldas, confirmou ontem, que a corregedoria da PM abriu um Inquérito Policial Militar (IPM) para apurar o fato.

— O comandante geral da PM, coronel Erir Ribeiro, está cobrando a conclusão desta investigação — afirmou o oficial.

Apesar de a investigação estar durando mais de seis meses, o inquérito ainda não tinha sido enviado, até ontem, para o Ministério Público.

O coronel Frederico Caldas disse que só vai confirmar a lista de material desviado depois da conclusão do caso:

— É injusto dizer o que sumiu, enquanto a investigação está em andamento.

 

 

O conhecimento liberta. Saiba mais. Siga-nos no Telegram.

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247

WhatsApp Facebook Twitter Email