Ao determinar nova prisão de Queiroz, ministro do STJ disse que ele trabalhou 'arduamente' para adulterar provas

Ministro do STJ Félix Fischer, que determinou o retorno do ex-assessor Fabrício Queiroz e sua mulher Márcia Aguiar para a prisão, disse que eles "supostamente já articulavam e trabalhavam arduamente, em todas as frentes, para impedir a produção de provas e/ou realizar a adulteração/destruição destas”

Fabrício Queiroz
Fabrício Queiroz (Foto: Divulgação)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

247 - O ministro do Superior Tribunal de Justiça (STJ) Félix Fischer justificou na decisão que fundamentou o novo pedido de prisão contra o ex-assessor Fabrício Queiroz e sua mulher Márcia Aguiar a existência de indícios de que eles "supostamente já articulavam e trabalhavam arduamente, em todas as frentes, para impedir a produção de provas e/ou realizar a adulteração/destruição destas”. 

Segundo reportagem do jornal O Globo, ao analisar os autos do processo, Fischer teria concluído a "única medida apropriada" para o caso era a “de prisão preventiva, não cabendo a utilização da prisão domiciliar. 

Sobre  os argumentos utilizados pelo presidente do STJ, João Otávio Noronha, que colocaram Queiroz em prisão domiciliar sobre o risco dele vir a ser contaminado pela Covid-19 na prisão, Fischer enfatizou que as provas apresentadas refletiam a condição de saúde dele no passado, e não no momento atual.

O conhecimento liberta. Saiba mais

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247