Após quatro meses de intervenção, tiroteios aumentam 36% no Rio

“Passados 120 dias da intervenção federal na segurança do Rio de Janeiro, megaoperações policiais e militares se sucedem, cada vez maiores, com resultados pouco expressivos”, diz o Observatório da Intervenção; o número de tiroteios passou 2355 nos quatro meses pré-intervenção para 3210 nos últimos quatro meses

“Passados 120 dias da intervenção federal na segurança do Rio de Janeiro, megaoperações policiais e militares se sucedem, cada vez maiores, com resultados pouco expressivos”, diz o Observatório da Intervenção; o número de tiroteios passou 2355 nos quatro meses pré-intervenção para 3210 nos últimos quatro meses
“Passados 120 dias da intervenção federal na segurança do Rio de Janeiro, megaoperações policiais e militares se sucedem, cada vez maiores, com resultados pouco expressivos”, diz o Observatório da Intervenção; o número de tiroteios passou 2355 nos quatro meses pré-intervenção para 3210 nos últimos quatro meses (Foto: Leonardo Lucena)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

Revista Forum - O Observatório da Intervenção fez um balanço dos quatro meses de intervenção militar no Rio de Janeiro, a partir dos números do Fogo Cruzado, laboratório de dados sobre violência. Com um decreto publicado no dia 16 de fevereiro deste ano, do governo de Michel Temer, o general do Exército Walter Souza Braga Netto, do Comando Militar do Leste, assumiu a segurança pública do Rio.

“Passados 120 dias da intervenção federal na segurança do Rio de Janeiro, megaoperações policiais e militares se sucedem, cada vez maiores, com resultados pouco expressivos”, diz o balanço. De fevereiro a maio, houve 444 mortes por policiais e 39 agentes morreram. O número de tiroteios teve um aumento expressivo passando de 2355 nos quatro meses pré-intervenção para 3210 nos últimos quatro meses.

Leia a íntegra

Participe da campanha de assinaturas solidárias do Brasil 247. Saiba mais.

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247