Bolsonaro nega racismo ao comentar caso do entregador: “miscigenação é uma marca do Brasil”

Ao comentar caso do motoboy agredido por um homem branco, Bolsonaro diz que a “miscigenação é uma marca do Brasil” e é alvo de crítica nas redes

Entregador alvo de racismo e Jair Bolsonaro
Entregador alvo de racismo e Jair Bolsonaro (Foto: Reprodução / Agência Brasil)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

247 - Na onda da repercussão sobre o caso do entregador Matheus Abreu Almeida Prado Couto, agredido por um cliente em um condomínio residencial em Valinhos (SP), Jair Bolsonaro postou um tuíte em que diz repudiar o episódio, mas escreveu que “a miscigenação é uma marca do Brasil”, frase alinhada com o discurso da negação da existência do racismo no País.

“Independentemente das circunstâncias que levaram ao ocorrido, atitudes como esta devem ser totalmente repudiadas. A miscigenação é uma marca do Brasil. Ninguém é melhor do que ninguém por conta de sua cor, crença, classe social ou opção sexual”, disse Bolsonaro na primeira postagem.

“Que a indignação dos brasileiros sirva de lição para que atos como esse não se repitam. Todos somos iguais! Embora alguns trabalhem para nos dividir, somos um só povo! Meus votos de solidariedade e sucesso ao entregador Matheus, bem como a toda sua família. Deus os abençoe!”, acrescentou, em um segundo tuíte.

Ele foi criticado por muitos internautas pelo uso do termo, uma vez que a dita “miscigenação” é, na verdade, o “sequestro em massa seguido de estupro e escravidão”, como lembrou um deles. “Essa desculpa eles usam há anos pra jogar o ‘b.o’ pra debaixo do tapete e fingir que o Brasil não é um país racista, mesmo a população preta e parda sendo maioria”, respondeu outra.

Participe da campanha de assinaturas solidárias do Brasil 247. Saiba mais.

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247