Cabral revê demolições na concessão do Maracanã

A concessionária fica obrigada a tornar apto o Estádio Júlio de Lamare a sediar competições de polo aquático nas Olimpíadas de 2016; a Escola Municipal Friedenreich, que funciona há quase 50 anos no região e que atende a crianças com necessidades especiais, também será mantida

A concessionária fica obrigada a tornar apto o Estádio Júlio de Lamare a sediar competições de polo aquático nas Olimpíadas de 2016; a Escola Municipal Friedenreich, que funciona há quase 50 anos no região e que atende a crianças com necessidades especiais, também será mantida
A concessionária fica obrigada a tornar apto o Estádio Júlio de Lamare a sediar competições de polo aquático nas Olimpíadas de 2016; a Escola Municipal Friedenreich, que funciona há quase 50 anos no região e que atende a crianças com necessidades especiais, também será mantida (Foto: Roberta Namour)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

Douglas Corrêa
Repórter da Agência Brasil
Rio de Janeiro - O governo fluminense e a Concessionária Maracanã anunciaram hoje (6) o primeiro aditivo ao contrato de concessão do Estádio Jornalista Mário Filho, o Maracanã. No documento, o governo confirma que não vai mais demolir o Estádio de Atletismo Célio de Barros e o Parque Aquático Júlio de Lamare, que serão reformados pela concessionária. As modificações não alteram o objeto principal do contrato, como também não mudou o valor da contraprestação da concessionária pela exploração do Maracanã.

No novo acordo, a concessionária fica obrigada a reformar o Estádio Júlio de Lamare de forma a torná-lo apto a sediar competições de polo aquático nas Olimpíadas de 2016, conforme as especificações exigidas pelo Comitê Organizador dos Jogos Olímpicos e Paralímpicos de 2016.

A Escola Municipal Friedenreich, que funciona há quase 50 anos no espaço do entorno do Maracanã e que atende a crianças com necessidades especiais, será mantida no mesmo lugar. O mesmo ocorrerá com o prédio do antigo Museu do Índio, que será transformado em um centro de referência da cultura indígena.

No contrato, ficou mantida a previsão de demolição dos prédios onde funcionam instalações do Ministério da Agricultura, no entorno do estádio, e a construção de vagas de estacionamento sobre a linha férrea ou, alternativamente, em área próxima ao Maracanã.

O Consórcio Maracanã foi vencedor da licitação para exploração do Complexo do Maracanã e terá direito de administrá-lo pelos próximos 35 anos.

O conhecimento liberta. Saiba mais

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247