Campos ferve após cassação do casal explosivo

Envoltos em polmicas, Rosinha e Anthony Garotinho mergulham agora em mais uma; ela aquartelou-se na Prefeitura ( esq.) aps cassao do seu mandato; deputado, que j fizera greve de fome durante campanha presidencial de 2006 ( dir.), fica irado; ontem, aliados fecharam rodovia (centro); vdeo com entrevista de Rosinha



247 – O casal mais polêmico da política do Rio de Janeiro está, neste momento, mergulhado em mais uma confusão. Por decisão da juíza Gracia Cristina Moreira do Rosário, do Tribunal Regional Eleitoral de Campos, Rosinha Garotinho teve seu mandato de prefeita da cidade cassado sob acusação de abuso de poder econômico durante a campanha eleitoral. Seu marido, o deputado federal Anthony Garotinho, também foi cassado pelo mesmo motivo, mas não perderá o seu mandato porque a decisão se refere à campanha de 2008 – ele cumpre mandato obtido em 2010.

Em lugar, porém, de apenas recorrer da decisão, o que pode ser feito até a próxima segunda-feira, Rosinha resolveu tomar uma atitude drástica: juntou um grupo de correligionários e passou, desde ontem, a ocupar a Prefeitura de Campos, de onde diz que não pretende sair. Simultaneamente, outro grupo de partidários interrompeu o tráfego na rodovia BR-101, que liga o Rio a Campos. Entulho e pneus foram queimados na pista, o que provocou um congestionamento de grandes proporções. O deputado Garotinho, enquanto isso, foi ao plenário da Câmara Federal denunciar a decisão da juíza Gracia como uma sentença política.

Na sexta-feira 23, em comício, Rosinha havia manifestado em Campos a possibilidade de adotar mais uma atitude, no mínimo, polêmica. Ela admitiu apoiar a interrupção do turbilhamento do petróleo extraído na Bacia de Campos, caso venha a ocorrer prejuízo para o Rio de Janeiro, do ponto de vista dela, na partilha dos royalties. “Essa não é uma luta fácil, mas fazemos hoje um alerta e um convite a todos que estão aqui para, quando necessário, todos irem à luta, para o Rio, para Brasília e, até mesmo, como disse o presidente da Coagro, Frederico Paes, parar o turbilhamento do petróleo”, afirmou ela. “Vamos à luta juntos, por amor à nossa cidade”.

A Coagro é uma cooperativa agroindustrial que tem ascendência sobre sindicatos de trabalhadores de usinas de cana-de-açúcar e biocombustíveis.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

A inclinação do casal para atitudes radicais já se manifestara na campanha presidencial de 2006, quando Garotinho, então candidato pelo PDT, fez uma greve de fome em protesto frente a denúncias de que teria recebido doações financeiras de maneira irregular para a sua própria campanha. Pelo jeito, outras atitudes do mesmo naipe, agora, não estão descartadas – ou melhor, estão em pleno curso, como a ocupação da Prefeitura.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

 “Não saio da prefeitura não por ser agarrada ao cargo de prefeita, mas para garantir a democracia do voto direto da população”, disse Rosinha, acrescentando que ficará na sede do governo durante o fim de semana se preciso for, numa atitude semelhante à do ex-presidente de Honduras Manuel Zelaya, que, depois de deposto e deportado para a Costa Rica, voltou ao país clandestinamente e se aquartelou durante quatro meses – de setembro de 2009 a janeiro de 2010 – na embaixada do Brasil no país caribenho.

É apenas o segundo dia, mas Rosinha já demonstra disposição de maratonista. “Se alguém quer ser prefeito desta cidade vá ter voto na urna, no tapetão não”, disse a prefeita cassada em entrevista à rádio Diário, a mesma pela qual seu marido, o deputado Anthony Garotinho (PR-RJ), a entrevistou em 2008, dando origem ao processo que culminou em sua cassação. “Estamos sendo cassados porque demos uma entrevista, apenas por isso. Infelizmente a Justiça eleitoral não trata das questões da mesma forma para todos”, disse Rosinha.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

A exemplo do que o marido fizera em Plenário na quarta-feira, Rosinha comparou o caso da entrevista concedida a Garotinho à campanha eleitoral antecipada que a então candidata Dilma Rousseff teria feito “em palanque oficial do presidente Lula, em inauguração de obras oficias do governo, pedindo voto”, em 2010, atitudes pelas quais a atual presidente recebeu apenas multa.

“Quero dizer que nossos advogados estão trabalhando na área judicial, mas quero convocar a população para que venha para cá durante o dia de hoje, porque hoje é o dia em que estamos entrando com o mandado de segurança”, conclamou Rosinha por meio da rádio Diário. “Todo mundo sabe que é uma aberração da justiça eleitoral. Diferente do que muitos estão anunciando, não é verdade que estamos cassados e somos condenados por abuso do poder econômico”, defendeu-se.

Assista à entrevista:

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

O conhecimento liberta. Quero ser membro. Siga-nos no Telegram.

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Apoie o 247

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Cortes 247

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
WhatsApp Facebook Twitter Email