Carlos altera dados de doação irregular de Bolsonaro de R$ 10 mil em dinheiro vivo

Após a revelação de que o pai havia feito uma doação ilegal para a campanha, o vereador Carlos Bolsonaro (Republicanos-RJ) alterou os dados sobre a doação junto ao TSE

Carlos e Jair Bolsonaro
Carlos e Jair Bolsonaro (Foto: Reprodução)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

247 - Após a revelação de que o pai havia feito uma doação ilegal para a sua campanha, o vereador Carlos Bolsonaro (Republicanos-RJ) alterou em seu cadastro no Tribunal Superior Eleitoral (TSE) os dados sobre a doação que ele recebeu de Jair Bolsonaro no valor de R$ 10 mil por meio de um depósito em dinheiro vivo.

De acordo com reportagem do jornal O Globo, a nova declaração de receitas emitida pelo vereador, candidato à reeleição na Câmara de Vereadores do Rio, consta agora que o valor foi recebido por "transferência eletrônica".

No entanto, a declaração de alteração só aconteceu por violar a resolução 23.607, de 17 de dezembro do ano passado, do TSE, que proíbe doações em espécie superiores a R$ 1.604,10, como no caso do repasse feito pelo presidente. Só podem ser feitas doações superiores a esse valor por meio de transferência eletrônica entre contas bancárias e cheque cruzado ou nominal.

Antes, Carlos havia declarado a doação como "em espécie". A retificação sobre o valor recebido por ele consta com a data de 7 de outubro, mesmo data da publicação da reportagem.

Ainda de acordo com a reportagem, Carluxo fez uma transferência eletrônica no valor de R$ 10 mil reais para a suacampanha, totalizando R$ 20 mil em receitas na candidatura do filho do presidente.

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247