Caso Marielle: pescador diz ter pilotado barco de onde um dos presos jogou armas no mar

Um pescador afirmou ao MPRJ que um homem jogou armas no mar da capital no dia 14 de março de 2019, quando Marielle Franco foi assassinada. De acordo com o órgão, a pessoa citada pela testemunha é Josinaldo Lucas Freitas, o Djaca, preso e acusado de ser cúmplice de Ronnie Lessa, apontado como autor dos tiros - morava no mesmo condomínio de Jair Bolsonaro

Josinaldo Lucas Freitas, o Djaca, e a ex-vereadora Marielle Franco
Josinaldo Lucas Freitas, o Djaca, e a ex-vereadora Marielle Franco (Foto: Arquivo Pessoal | Mídia NINJA)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

247 - Um pescador afirmou ao Ministério Público do Rio de Janeiro (MPRJ) que um homem jogou armas longas, incluindo um fuzil, no mar da Barra da Tijuca, no dia 14 de março de 2019, quando a então vereadora Marielle Franco (PSOL) foi assassinada. De acordo com o MP-RJ, o homem responsável por arremessar os revólveres é Josinaldo Lucas Freitas, o Djaca, um dos presos no âmbito das investigações sobre o crime. O teor do depoimento foi publicado em reportagem da GloboNews

No dia 3 de outubro de 2019, Djaca foi preso, acusado de atrapalhar as investigações sobre o crime. Ele é suspeito de ter se desfeito da submetralhadora usada no crime e é apontado como cúmplice de Ronnie Lessa, ex-policial acusado de ser o autor dos disparos contra a parlamentar.

A testemunha disse que, naquele 14 de março, voltava de uma pescaria quando um homem o contratou, supostamente, para mergulhar. Djaca foi ao barco com malas, bolsas e caixas. Eles seguiram em direção às Ilhas Tijucas, a 1,8 quilômetro do Quebra-Mar da Barra. 

"No trajeto, ele começou a abrir lá e jogar as coisas fora. Fiquei até assustado", disse o pescador. "Fiquei com mais medo, tremendo. Aí falei: 'Ih, será que ele vai me matar?'", lembrou o pescador. As "coisas" citadas por ele eram armas de grosso calibre e munição.

No depoimento, o pescador disse que, ao ver as armas, falou para Djaca: "Você vai ferrar minha vida, cara, você vai f*der minha vida, cara! Desculpe a expressão. Você vai f*der minha vida, cara".

De acordo com o pescador, Djaca respondeu: "Não vai pegar nada para você, não. Qualquer coisa eu assumo tudo".

O crime

No dia 14 de março de 2018, Marielle foi assassinada na região central do Rio pelo crime organizado. Ativista de direitos humanos, ela denunciava a violência policial contra pobres e negros. Também alertava para a atuação de milícias nas periferias da cidade do Rio. 

Os criminosos perseguiram o carro dela por cerca de três ou quatro quilômetros antes de executá-la. A então parlamentar foi morta em um lugar sem câmeras. 

Em março do ano passado, foram presos dois suspeitos de serem os assassinos de Marielle: o policial militar reformado Ronnie Lessa e o ex-militar Élcio Vieira de Queiroz. O primeiro é acusado de ter feito os disparos e o segundo de dirigir o carro que perseguiu a parlamentar. 

Lessa morava no mesmo condomínio de Bolsonaro. Élcio Vieira de Queiroz, de 46 anos havia postado no Facebook uma foto ao lado de Jair Bolsonaro. Na foto, o rosto de Bolsonaro está cortado. 

O conhecimento liberta. Saiba mais

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247