Damous defende anulação do impeachment e chama eleições gerais

"Por muito menos a presidenta Dilma Rousseff foi deposta da presidência da República por um alegado crime de responsabilidade que ela nunca cometeu", diz o deputado em vídeo, ao comentar as mais recentes denúncias de corrupção contra o governo Temer, em que o amigo e ex-assessor do presidente, José Yunes, disse ter recebido em seu escritório R$ 4 milhões que eram de Eliseu Padilha

Brasília - O deputado Wadih Damous fala à imprensa após reunião do Diretório Nacional do PT sobre manifestações de apoio ao governo (Valter Campanato/Agência Brasil)
Brasília - O deputado Wadih Damous fala à imprensa após reunião do Diretório Nacional do PT sobre manifestações de apoio ao governo (Valter Campanato/Agência Brasil) (Foto: Gisele Federicce)

Rio 247 – Em vídeo postado em seu Facebook, o deputado Wadih Damous (PT-RJ) defendeu que o Supremo Tribunal Federal analise o pedido de anulação do impeachment de Dilma Rousseff.

"O Supremo deveria agora apreciar de imediato o pedido de anulação de impeachment da presidenta Dilma. Era isso que o Supremo tinha que fazer, até para recuperar a sua reputação", disse, defendendo ainda eleições gerias para o País.

"Todo o núcleo central do governo Temer está comprometido com denúncias. Não viraram inquéritos ainda porque a rapidez ou a lentidão da PGR variam de acordo com os personagens. Por exemplo: existem diversas citações de Aécio Neves, de José Serra, de Geraldo Alckmin, todos com foro privilegiado. Nada, rigorosamente nada", critica.

Damous questiona ainda onde estão os paneleiros, que não protestam contra as acusações de corrupção contra o atual governo, e denuncia uma "completa deterioração das relações de poder, das relações políticas a partir do golpe" no País.

Ao vivo na TV 247 Youtube 247