Damous promete mandar bolo a Cármen Lúcia quando Moro for punido

Embora o pedido de punição de Moro, por ter grampeado a presidente Dilma, assinado por PT, PSB e PCdoB esteja na pauta de hoje do Conselho Nacional de Justiça, o deputado Wadih Damous, um dos autores da ação não acredita que será julgado hoje: "Entra e sai da pauta direto. Quando completar dois anos eu vou mandar um bolo para a Cármen Lúcia"

Embora o pedido de punição de Moro, por ter grampeado a presidente Dilma, assinado por PT, PSB e PCdoB esteja na pauta de hoje do Conselho Nacional de Justiça, o deputado Wadih Damous, um dos autores da ação não acredita que será julgado hoje: "Entra e sai da pauta direto. Quando completar dois anos eu vou mandar um bolo para a Cármen Lúcia"
Embora o pedido de punição de Moro, por ter grampeado a presidente Dilma, assinado por PT, PSB e PCdoB esteja na pauta de hoje do Conselho Nacional de Justiça, o deputado Wadih Damous, um dos autores da ação não acredita que será julgado hoje: "Entra e sai da pauta direto. Quando completar dois anos eu vou mandar um bolo para a Cármen Lúcia" (Foto: Paulo Emílio)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

Embora o pedido de punição de Moro, por ter grampeado a presidente Dilma, assinado por PT, PSB e PCdoB esteja na pauta de hoje do Conselho Nacional de Justiça, o deputado Wadih Damous, um dos autores da ação não acredita que será julgado hoje: "Entra e sai da pauta direto. Quando completar dois anos eu vou mandar um bolo para a Cármen Lúcia". Moro pode ser punido com advertência, censura, remoção compulsória, aposentadoria compulsória e até exoneração do cargo.

O conhecimento liberta. Saiba mais

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247