"Ele insiste em defender e alardear a tortura", diz Natalini sobre elogio de Bolsonaro ao torturador Ustra

Vereador paulistano Gilberto Natalini criticou duramente o elogio feito por Jair Bolsonaro que chamou o coronel do Exército Carlos Alberto Brilhante Ustra, já falecido, de “herói nacional”. "Bolsonaro insiste em defender e alardear a tortura. A tortura é o ato mais abjeto de um ser humano sobre o outro", postou no Twitter. O parlamentar foi torturado pessoalmente por Ustra ao ser preso por agentes da ditadura, em 1970

Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

247 - O vereador paulistano Gilberto Natalini (PV-SP) criticou duramente o elogio feito por Jair Bolsonaro que chamou o coronel do Exército Carlos Alberto Brilhante Ustra, já falecido, de “herói nacional”. "Bolsonaro insiste em defender e alardear a tortura. A tortura é o ato mais abjeto de um ser humano sobre o outro", postou Natalini no Twitter. 

O coronel Ustra, alvo da admiração de Bolsonaro, é um dos símbolos da ditadura militar no Brasil sendo responsável por dezenas de homicídios e desaparecimentos de opositores e de militantes de esquerda nos tempos em que chefiou o DOI-CODI, um dos órgãos de repressão do regime. Ustra também teria participado pessoal de sessões de tortura contra opositores, segundo o relatório final da Comissão da Verdade, que apurou os crimes cometidos durante a ditadura. 

Postagem de Natalini , que foi alvo das torturas praticadas por Ustra, foi feita na quinta-feira (8), no mesmo dia em que Bolsonaro se encontrou com a viúva do militar, Maria Joseíta Silva Brilhante Ustra. 

Confira a postagem de Gilberto Natalini sobre o assunto. 

O conhecimento liberta. Saiba mais

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247