Empresário aponta esquema que pode ter desviado R$ 50 milhões no governo Witzel

Segundo depoimento de Edson Torres, apontado como operador do grupo de Pastor Everaldo, a candidatura de Wilson Witzel ao governo do Rio teria contado com a ajuda financeira de um grupo empresarial acusado de posteriormente desviar cerca de R$ 50 milhões em propinas

O governador do Rio de Janeiro, Wilson Witzel.
O governador do Rio de Janeiro, Wilson Witzel. (Foto: Eliane Carvalho/Governo do RJ/Divulgação)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

247 - A Procuradoria Geral da República prepara nova denúncia conta o governador afastado do Rio de Janeiro, Wilson Witzel, em que ele é acusado de ser "chefe de uma organização criminosa" que teria praticado os crimes de corrupção ativa e passiva, fraude a licitações e peculato contra o estado do Rio de Janeiro. 

De acordo com os jornalistas Chico Otávio e Pedro Zuazo, do Globo, a denúncia tem como base documentos apreendidos e depoimento do empresário Edson Torres, apontado como operador financeiro do grupo de Pastor Everaldo. 

"De acordo com o depoimento de Edson Torres, Witzel teria recebido R$ 980 mil em espécie quando era juiz federal. Os valores teriam sido entregues ao próprio Witzel e a Lucas Tristão, segundo a denúncia. Após iniciar a campanha, Edson e Victor Hugo teriam entregue ao Pastor Everaldo o total de R$ 1,8 milhão, em dinheiro que teria sido parcelado de abril até o final do segundo turno. Após as eleições, segundo a denúncia, o grupo que aportou recursos financeiros na campanha do então candidato teria fatiado as secretarias e estatais "com o escopo de ter retorno econômico": Helio Cabral teria assumido a presidência da Cedae por indicação do Pastor Everaldo; Edmar Santos teria assumido a Saúde por indicação de Edson Torres; Juarez Fialho, que era sócio de Victor Hugo, teria assumido a Secretaria das Cidades e, interinamente, a Secretaria de Trabalho e Renda", diz trecho da reportagem. 

Segundo o empresário, o grupo teria montado uma "caixinha da propina" que, segundo Edson Torres, entre janeiro de 2019 e julho de 2020 teria arrecadado vantagens indevidas no valor de aproximadamente R$ 50 milhões. 

A denúncia traz imagens de anotações que teriam sido feitas de próprio punho por Wilson Witzel que indicam que ele teria conhecimento dos honorários recebidos pelo escritório advocatício de Helena Witzel. O caderno de anotações foi apreendido pela Polícia Federal dentro de uma bolsa de Helena, no Palácio Laranjeiras. Também foram denunciados a ex-primeira-dama Helena Witzel e outras dez pessoas.

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como:

• Cartão de crédito na plataforma Vindi: acesse este link

• Boleto ou transferência bancária: enviar email para [email protected]

• Seja membro no Youtube: acesse este link

• Transferência pelo Paypal: acesse este link

• Financiamento coletivo pelo Vakinha: acesse este link

• Financiamento coletivo pelo Catarse: acesse este link

• Financiamento coletivo pelo APOIA.se: acesse este link

• Financiamento coletivo pelo Patreon: acesse este link

Inscreva-se também na TV 247, siga-nos no Twitter, no Facebook e no Instagram. Conheça também nossa livraria, receba a nossa newsletter e ative o sininho vermelho para as notificações.

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247