Enquanto Covas conta com milhões doados por empresários, Boulos chega ao segundo turno com vaquinha

No primeiro turno, Bruno Covas arrecadou R$ 15,3 milhões, contando com a ajuda de lideranças empresarias e famílias tradicionais do mercado imobiliário de São Paulo. Boulos, por sua vez, arrecadou apenas R$ 3,9 milhões, e conseguiu avançar ao segundo turno

Bruno Covas e Guilherme Boulos
Bruno Covas e Guilherme Boulos (Foto: Patrícia Cruz | RS via Fotos Publicas)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

247 - O segundo turno das eleições será disputado em São Paulo pelo atual prefeito e candidato à reeleição, Bruno Covas (PSDB), e Guilherme Boulos (PSOL). Covas recebeu 32,85% dos votos e Boulos 20,24%.

Apesar dos dois candidatos terem passado para o segundo turno, a diferença do poderio financeiro da campanha de cada um é bem diferente. 

Até a data da realização do primeiro turno, que ocorreu neste domingo (15), Covas havia arrecadado R$ 15,3 milhões, segundo dados do Tribunal Superior Eleitoral (TSE). 79% do valor é de verbas partidárias e 21% foram doações de pessoas físicas, sobretudo lideranças empresariais, como Cyrela, Crefisa e Cosan, por exemplo, de acordo com o Estadão. Famílias tradicionais do mercado imobiliário da capital paulista doaram ao tucano R$ 1 milhão.

A campanha de Boulos custou bem menos. O candidato do PSOL teve à disposição R$ 3,9 milhões, sendo 69% vindos de recursos partidários e 21% de financiamento coletivo. Pessoas físicas doaram à campanha de Boulos R$ 413 mil. O casal Paula Lavigne e Caetano Veloso doaram R$ 100 mil cada.

O conhecimento liberta. Saiba mais

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247