Época: aliados de Cabral receberam propina

Camargo Corrêa teria pago cerca de R$ 2 milhões ao secretário de Governo do Rio, Wilson Carlos Carvalho, e a Carlos Emanuel Miranda, sócio do governador Sérgio Cabral (PMDB), após o Estado renovar concessão do metrô; denúncia pode reabrir investigações sobre as relações entre o governo do Rio de Janeiro e a empreiteira 

Camargo Corrêa teria pago cerca de R$ 2 milhões ao secretário de Governo do Rio, Wilson Carlos Carvalho, e a Carlos Emanuel Miranda, sócio do governador Sérgio Cabral (PMDB), após o Estado renovar concessão do metrô; denúncia pode reabrir investigações sobre as relações entre o governo do Rio de Janeiro e a empreiteira 
Camargo Corrêa teria pago cerca de R$ 2 milhões ao secretário de Governo do Rio, Wilson Carlos Carvalho, e a Carlos Emanuel Miranda, sócio do governador Sérgio Cabral (PMDB), após o Estado renovar concessão do metrô; denúncia pode reabrir investigações sobre as relações entre o governo do Rio de Janeiro e a empreiteira  (Foto: Roberta Namour)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

247 – A Polícia Federal apreendeu documentos na operação Castelo de Areia que indicam que o secretário de Governo do Rio, Wilson Carlos Carvalho, e Carlos Emanuel Miranda, sócio do governador Sérgio Cabral (PMDB), teriam recebido propina da empreiteira Camargo Corrêa após o Estado renovar concessão do metrô.

Segundo a revista "Época", a propina teria sido paga depois que a Opportrans, controladora da Metrô Rio até 2008, quitou dívida do governo do Rio junto à empreiteira. Ambos receberam, segundo a publicação, 5% do valor do negócio, de cerca de R$ 40 milhões.

A assessoria de imprensa da Camargo Corrêa, afirmou que o acordo triangular com o Estado e o Metrô Rio “foi homologado pela Justiça”.

Já o governo do Rio afirmou que o secretário Wilson Carlos “jamais recebeu dinheiro desse ou de qualquer outro acordo que envolva o Estado e nunca teve conta no exterior”. Além disso, disse que Carlos Miranda foi sócio de Cabral “em uma empresa que deixou de operar há mais de sete anos e já foi extinta”.

O conhecimento liberta. Saiba mais. Siga-nos no Telegram.

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247

WhatsApp Facebook Twitter Email