Ex-secretário de Cabral é suspeito de favorecer cliente de seu escritório

Preso na semana passada, o ex-secretário da Casa Civil do estado do Rio Régis Fichtner manteve, por meio do seu escritório, contrato com o Sindicato de Distribuidores de Combustíveis (Sindicom); o ex-titular da pasta atuou por uma mudança na cobrança de impostos que beneficiou o Sindicom, de acordo com a coluna Expresso; ex-secretário foi alvo da Operação C'est Fini, que em francês significa "é o fim"; de acordo com o MPF, há indícios de que ele recebeu R$ 1,5 milhão em propina de 2007 a 2014, período em que foi secretário no governo Sérgio Cabral

23/11/2017- Rio de Janeiro - O ex-chefe da Casa Civil do governo Sérgio Cabral, Régis Fichtner, chega preso à sede da Polícia Federal Foto: Tânia Rêgo/Agência Brasil
23/11/2017- Rio de Janeiro - O ex-chefe da Casa Civil do governo Sérgio Cabral, Régis Fichtner, chega preso à sede da Polícia Federal Foto: Tânia Rêgo/Agência Brasil (Foto: Leonardo Lucena)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

Rio 247 - Preso na semana passada, o ex-secretário da Casa Civil do estado do Rio de Janeiro Régis Fichtner manteve, por meio do seu escritório, contrato com o Sindicato de Distribuidores de Combustíveis (Sindicom). O ex-titular da pasta atuou por uma mudança na cobrança de impostos que beneficiou o Sindicom, de acordo com informação publicada na coluna Expresso. O contrato terminou quando Fichtner deixou o governo.

O escritório de advocacia Andrade & Fichtner Advogados afirmou, por meio de sua assessoria de imprensa, que, apesar de o Sindicom ter se tornado cliente da banca, não houve relação entre "os serviços prestados ao sindicato e qualquer função pública exercida por Régis Fichtner".

O ex-secretário foi alvo da Operação C'est Fini, que em francês significa "é o fim". O nome seria uma alusão ao fim da Farra dos Guardanapos, como ficou conhecido um jantar em Paris do que teve a presença de ex-secretários do Rio, empresários e o ex-governador Sérgio Cabral. Fichtner comandou a Casa Civil nas duas gestões do ex-governador, entre 2007 e 2014. De acordo com o Ministério Público Federal, há indícios de que, nesse período, ele recebeu R$ 1,5 milhão em propina. Os pagamentos teriam sido feitos até dentro do Palácio Guanabara, sede do governo.

Procuradores investigam, ainda, um esquema de corrupção no uso de precatórios por empresas que tinham dívidas, tributos e impostos com o governo do Rio, e por empresas que tinham interesse em fazer negócios com o executivo e que procuravam o escritório de advocacia de Fichtner.

Abaixo, nota enviada pelo escritório:

"O Andrade & Fichtner Advogados esclarece que o Sindicom se tornou cliente do escritório por intermédio do juiz federal aposentado Luciano Godoy, quando este era sócio da banca. Quando optou por abrir seu próprio escritório, Godoy levou o cliente com ele, em abril de 2013.

Portanto, jamais existiu qualquer relação entre os serviços advocatícios prestados ao Sindicom e qualquer função pública exercida por Regis Fichtner."

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como:

• Cartão de crédito na plataforma Vindi: acesse este link

• Boleto ou transferência bancária: enviar email para [email protected]

• Seja membro no Youtube: acesse este link

• Transferência pelo Paypal: acesse este link

• Financiamento coletivo pelo Patreon: acesse este link

• Financiamento coletivo pelo Catarse: acesse este link

• Financiamento coletivo pelo Apoia-se: acesse este link

• Financiamento coletivo pelo Vakinha: acesse este link

Inscreva-se também na TV 247, siga-nos no Twitter, no Facebook e no Instagram. Conheça também nossa livraria, receba a nossa newsletter e ative o sininho vermelho para as notificações.

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247