Fernando Brito: Ibope mostra que a eleição ‘fácil’ para Covas já ficou difícil

O jornalista Fernando Brito, do Tijolaço, observa que a diferença entre o Bruno Covas e Guilherme Boulos na disputa pela Prefeitura de São Paulo encolheu 15 pontos em menos de uma semana e o segundo turno mostrará "um favorito amedrontado e um desafiante empolgado. Covas tem tudo a perder e Boulos só tem a ganhar"

Bruno Covas e Guilherme Boulos
Bruno Covas e Guilherme Boulos (Foto: Reprodução/Facebook)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

Por Fernando Brito, no Tijolaço - Na pesquisa Ibope fechada à véspera da eleição, Bruno Covas vencia Guilherme Boulos por 53% a 26%.

No levantamento do mesmo instituto fechado hoje, a vantagem cai para 47% a 35%.

A diferença, em menos de uma semana, encolheu 15 pontos: de 27 para 12%.

E esta diferença de 12% pode ser traduzida assim: se entre 100 paulistanos seis eleitores de Covas deixarem de votar no candidato de João Doria e votarem no candidato do PSOL (e agora de todo o campo progressista) a eleição estaria empatada.

Sexta-feira começa a campanha televisiva, da qual Boulos esteve virtualmente fora até este momento.

Que ele tende a ir bem, como demonstrou nos 17 segundos de que dispunha, parece ser algo certo.

Mas, e Bruno Covas?

Reitero a impressão à qual me referi desde que assisti o debate da CNN – a agressividade que lhe definiram como estratégia de enfrentamento. Não é preciso ser marqueteiro para saber que, em campanhas políticas, ao contrário do futebol, a pior defesa é o ataque.

Estratégia acrescida, agora, de algo que ele evitou no momento mais forte da pandemia: o negacionismo da doença, afirmando que a pandemia não está “evoluindo na cidade, mesmo com aumento do número de internações em hospitais particulares” e que isso seria produto de pessoas que vêm de outras regiões para obter tratamento.

Veremos, não se tenha dúvida, um favorito amedrontado e um desafiante empolgado.

Covas tem tudo a perder e Boulos só tem a ganhar.

PS. A primeira pesquisa no Recife com liderança folgada de Marília Arraes, segunda colocada no 1° turno, com 45% sobre João Campos, que teria 39% não é surpresa, depois que ela, no primeiro turno, ficou muito acima do que lhe davam as pesquisas. Como não supreende a tunda que leva Marcelo Crivella no Rio, ficando com 23% das intenções de voto, contra 53% de Eduardo Paes. Esta diferença vai aumenta, porque Crivella não soma nada ao que teve no primeiro turno com a máquina da Prefeitura e da Igreja Universal. Em ambos, só tem a perder quando ficar claro que ele já se foi.

 

O conhecimento liberta. Saiba mais

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247