Flávio Bolsonaro repassou documentos da Abin para advogados e “pessoas de confiança”

O senador Flávio Bolsonaro repassou relatórios que teriam sido produzidos pela Agência Brasileira de Inteligência (Abin) a suas advogadas e a pessoas de confiança. Em clara tentativa de interferência do governo federal em investigações judiciais, os documentos teriam como objetivo ajudar o parlamentar a se defender no caso Fabrício Queiroz

Flávio Bolsonaro
Flávio Bolsonaro (Foto: Alessandro Dantas/PT no Senado | PR)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

247 - O senador Flávio Bolsonaro (Republicanos-RJ) repassou os dois relatórios que teriam sido produzidos pela Agência Brasileira de Inteligência (Abin) a suas advogadas e a pessoas de confiança. Os documentos teriam como objetivo ajudar o parlamentar a se defender das investigações no inquérito sobre o caso Fabrício Queiroz, ex-assessor do parlamentar e que está preso por envolvimento em um esquema de corrupção na Assembleia Legislativa do Rio (Alerj), onde o filho de Jair Bolsonaro cumpria mandato de deputado estadual antes de ser eleito para o Senado.

De acordo com informação publicada pela coluna de Lauro Jardim, Flávio recebeu os documentos pelo WhatsApp e os repassou pela mesma plataforma às advogadas. O congressista também teria confirmado em mensagem que os relatórios são de autoria da Abin.

Em depoimento ao Supremo Tribunal Federal, o diretor-geral da Abin, Alexandre Ramagem, afirmou nessa terça-feira (15) que o órgão não produziu os relatórios, mas admitiu que houve uma reunião com a defesa do parlamentar. O ministro-chefe do Gabinete de Segurança Institucional (GSI), Augusto Heleno, também negou irregularidades. 

Um dos documentos dos relatórios, no entanto, autoexplicativo ao definir o motivo daquele trabalho. Em um campo intitulado 'Finalidade', cita: 'Defender FB no caso Alerj demonstrando a nulidade processual resultante de acessos imotivados aos dados fiscais de FB'". 

O governo pôs mais de uma centena de agentes (espiões) em vários ministérios, contra adversários, organizações não-governamentais (ONGs) críticas às políticas ambiental, indigenista e de direitos humanos.

O conhecimento liberta. Saiba mais. Siga-nos no Telegram.

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247

WhatsApp Facebook Twitter Email