Frota ironiza blindagem a Flávio Bolsonaro: deve ter custado muito caro

O deputado federal Alexandre Frota (PSDB-SP), ex-PSL, ironizou a blindagem do STF ao senador Flávio Bolsonaro (PSL-RJ), envolvido em um esquema de corrupção na Alerj. "Bolsonaro se encontrou no fim de semana 4 x com o advogado do Flávio Bolsonaro", relatou Frota

Alexandre Frota e Flávio Bolsonaro
Alexandre Frota e Flávio Bolsonaro (Foto: Agência Câmara | Senado)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

247 - O deputado federal Alexandre Frota (PSDB-SP), ex-PSL, ironizou a blindagem do Supremo Tribunal Federal ao senador Flávio Bolsonaro (PSL-RJ). O ministro Gilmar Mendes determinou a suspensão de todos os processos que envolvem a quebra do sigilo do filho de Jair Bolsonaro envolvendo um esquema de corrupção na Assembleia Legislativa do Rio (Alerj) quando ele era deptuado estadual e tinha como "braço direito" o seu então assessor, Fabrício Queiroz. 

"Bolsonaro se encontrou no fim de semana 4 x com o advogado do Flávio Bolsonaro. Na Segunda feira Gilmar cancela o caso Queiroz . Deve ter custado muito caro heinnn https://twitter.com/lobaoeletrico/status/1178984338236542976", escreveu a parlamentar no Twitter.

De acordo com relatório do Conselho de Controle de Atividades Financeiras (Coaf), Queiroz movimentou R$ 7 mihões em de 2014 a 2017. Em depoimento pro escrito ao Ministério Público no primeiro semestre, Queiroz admitiu que fazia o "gerenciamento" de valores recebidos por servidores do gabinete do então deputado Flávio Bolsonaro e coordenava "os trabalhos e demandas" para expandir a base do parlamentar. 

O conhecimento liberta. Saiba mais. Siga-nos no Telegram.

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247

WhatsApp Facebook Twitter Email