Garis em greve: "prefeito vai varrer sozinho"

Em assembleia na manhã desta segunda-feria, 3, garis do Rio de Janeiro decidiram continuar a greve iniciada há três dias; alguns bairros da capital fluminense estão tomados de lixo, sobretudo, os locais por onde passaram nesse domingo, 2, os blocos de carnaval e o Sambódromo; dos cerca de 15 mil garis da Companhia Municipal de Limpeza Urbana (Comlurb), aproximadamente 3,5 mil estão parados

www.brasil247.com - Em assembleia na manhã desta segunda-feria, 3, garis do Rio de Janeiro decidiram continuar a greve iniciada há três dias; alguns bairros da capital fluminense estão tomados de lixo, sobretudo, os locais por onde passaram nesse domingo, 2, os blocos de carnaval e o Sambódromo; dos cerca de 15 mil garis da Companhia Municipal de Limpeza Urbana (Comlurb), aproximadamente 3,5 mil estão parados
Em assembleia na manhã desta segunda-feria, 3, garis do Rio de Janeiro decidiram continuar a greve iniciada há três dias; alguns bairros da capital fluminense estão tomados de lixo, sobretudo, os locais por onde passaram nesse domingo, 2, os blocos de carnaval e o Sambódromo; dos cerca de 15 mil garis da Companhia Municipal de Limpeza Urbana (Comlurb), aproximadamente 3,5 mil estão parados (Foto: Aquiles Lins)


Rio 247, com Agência Brasil - Em assembleia na manhã desta segunda-feria, 3, garis do Rio de Janeiro decidiram continuar a greve iniciada há três dias. Alguns bairros da capital fluminense estão tomados de lixo, sobretudo, os locais por onde passaram nesse domingo, 2, os blocos de carnaval e o Sambódromo. Dos cerca de 15 mil garis da Companhia Municipal de Limpeza Urbana (Comlurb), aproximadamente 3,5 mil estão parados.

Aos gritos de "nesse Carnaval o prefeito vai varrer sozinho" e "o gari acordou", cerca de 500 garis se reuniram em frente a Central do Brasil nesta segunda-feira para protestar contra os baixos salários da categoria. O grupo fechou uma faixa da avenida Presidente Vargas e segue em direção à prefeitura. 

Na Lapa, bairro boêmio da cidade, resíduos sólidos aglomeravam-se pelas calçadas, meios-fios e canteiros. O mau cheiro incomodava as pessoas que passavam pelas ruas. Durante a manhã, um grupo de garis da Comlurb, sem o uniforme, faziam a limpeza nos Arcos da Lapa. O turista inglês John Mills que veio ao Rio pela primeira vez para o carnaval não sabia da greve. “Eles foram espertos por fazer a greve logo neste período, pois a cidade está realmente muito suja.”

Bairros como Copacabana e Botafogo não apresentavam problemas com a limpeza urbana nesta manhã, com ruas limpas e lixeiras vazias.

O movimento grevista reivindica ajuste salarial de R$ 803 para R$ 1,2 mil, aumento no valor do tíquete-alimentação diário de R$ 12 para R$ 20, pagamento de horas extras para quem trabalhar nos domingos e feriados, como previsto em lei, e melhores condições de trabalho. Eles fizeram um protesto ontem na sede da prefeitura.

No sábado, 1º, o Tribunal Regional do Trabalho do Estado do Rio de Janeiro (TRT-RJ) declarou a “abusividade e ilegalidade” de qualquer movimento de paralisação dos garis vinculados à Companhia Municipal de Limpeza Urbana (Comlurb). O Sindicato e Comlurb não reconhecem a greve. A Companhia informou por meio de nota que está em negociação com o sindicato da categoria “como faz todos os anos no período do acordo coletivo”. Até o fechamento desta matéria a Comlurb não havia se manifestado sobre a paralisação nem sobre as providências para solucionar o problema do lixo.

O conhecimento liberta. Quero ser membro. Siga-nos no Telegram.

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Apoie o 247

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247

Cortes 247

WhatsApp Facebook Twitter Email