Gebran manda o caso de Paulo Preto para São Paulo e o operador tucano pode ser solto

O desembargador acolheu o pedido de habeas corpus da defesa e entendeu que a 13a Vara de Curitiba, responsável pelos processos da Lava-Jato no Paraná, não é competente para julgar a ação. Com isso, o principal arrecadador de José Serra poderá ganhar a liberdade

STF beneficia Serra e, de tabela, beneficia Paulo Preto
STF beneficia Serra e, de tabela, beneficia Paulo Preto
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

Do DCM, a partir de reportagem do Globo – O desembargador João Pedro Gebran Neto, relator da Lava-Jato do Tribunal Regional Federal da 4a Região (TRF-4), retirou da Justiça do Paraná a ação que acusa ex-diretor da Dersa Paulo Vieira de Souza, o Paulo Preto, de lavagem de dinheiro e obstrução de Justiça. Ele é apontado pelos investigadores como operador do PSDB. 

O desembargador acolheu o pedido de habeas corpus da defesa e entendeu que a 13a Vara de Curitiba, responsável pelos processos da Lava-Jato no Paraná, não é competente para julgar a ação. Gebran determinou que o caso seja encaminhado para a Justiça de São Paulo. 

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247