CONTINUA APÓS O ANÚNCIO
Sudeste

Glauber Braga denuncia ilegalidades de Deltan Dallagnol: 'lojas em nome de terceiros e especulação imobiliária'

Em entrevista à TV 247, o deputado afirmou que o ex-procurador da Lava Jato tem imóvel com valor superior aos declarados a órgãos competentes

Glauber Braga (à esq.) e Deltan Dallagnol (Foto: Pablo Valadares/Câmara dos Deputados | Pablo Valadares/Câmara dos Deputados)
CONTINUA APÓS O ANÚNCIO

✅ Receba as notícias do Brasil 247 e da TV 247 no canal do Brasil 247 e na comunidade 247 no WhatsApp.

247 - O deputado federal Glauber Braga (PSOL-RJ) defendeu em entrevista à TV 247 uma investigação do patrimônio do deputado federal Deltan Dallagnol (Podemos-PR). "Dois imóveis de mais de R$ 1 milhão", disse o parlamentar. Segundo o congressista do PSOL, algumas denúncias apontaram que Dallagnol "teria negociado e comprado em nome de familiares quatro lojas em shopping diferentes no Paraná colocadas em nome de terceiros". 

O deputado citou a Petrobrás. "Tentativa bilionária de desvio: fazer com que recursos bilionários da Petrobrás sob a justificativa de ser um fundo de enfrentamento à corrupção e que seria de uma organização de natureza privada. Dallagnol manejaria (o dinheiro)", continuou. 

CONTINUA APÓS O ANÚNCIO

"Tinha imóveis milionários e recebia auxílio-moradia. Objeto de questionamento público. Comprou imóveis do Minha Casa Minha Vida, que tem subsídios de natureza federal. Dois imóveis comprados por valores subsidiados, um deles vendido depois por valor superior. Fez especulação imobiliária", complementou. 

Vaza Jato

A partir de 2019 começaram a ser divulgadas conversas entre membros do Judiciário paranaense no contexto da Lava Jato. A publicação dos diálogos ficou conhecida como Vaza Jato. 

CONTINUA APÓS O ANÚNCIO

Segundo as trocas de mensagens, o senador Sergio Moro (União Brasil-PR) agia como uma espécie de assistente de acusação quando era juiz da Lava Jato, ao interferir na elaboração das denúncias feitas por promotores do Ministério Público Federal (MPF-PR).

Em março de 2022, o Superior Tribunal de Justiça (STJ) condenou Dallagnol a indenizar o atual presidente Luiz Inácio Lula da Silva em R$ 75 mil por causa da apresentação do PowerPoint em 2016.

CONTINUA APÓS O ANÚNCIO

iBest: 247 é o melhor canal de política do Brasil no voto popular

Assine o 247, apoie por Pix, inscreva-se na TV 247, no canal Cortes 247 e assista:

Carregando os comentários...
CONTINUA APÓS O ANÚNCIO

Cortes 247

CONTINUA APÓS O ANÚNCIO
CONTINUA APÓS O ANÚNCIO