'Havia relações sexuais entre todos', afirma delegada sobre família de Flordelis

A delegada Barbara Lomba, responsável pela primeira fase das investigações da morte do pastor Anderson do Carmo, disse que havia relações sexuais entre vários integrantes da casa da deputada federal Flordelis dos Santos

Flordelis
Flordelis (Foto: Luis Macedo/Câmara dos Deputados)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

247 - A delegada Barbara Lomba, responsável pela primeira fase das investigações da morte do pastor Anderson do Carmo, disse que havia relações sexuais entre vários integrantes da casa da deputada federal Flordelis dos Santos. De acordo com as investigações, o religioso foi morto por questões financeiras e poder na família. Ele controlava todo o dinheiro do Ministério Flordelis, atualmente rebatizado Comunidade Evangélica Cidade do Fogo.

"Havia relações entre todos ali. Flordelis não se relacionava só com o Anderson e o Anderson não se relacionava só com ela (Flordelis)", afirmou a delegada em audiência do caso nesta sexta-feira (13). Os relatos foram publicados em reportagem do jornal Extra (RJ).

"As relações eram baseadas na mentira. Estabeleceu -se uma lógica de relação familiar baseada em estratégia e fachadas tinham que ser montadas. Muitas coisas que aconteciam na casa não poderiam aparecer", complementou.

Segunda testemunha de acusação a ser ouvida na audiência do processo, Bárbara Lomba afirmou ter ouvido relatos informais de Flávio dos Santos, filho biológico de Flordelis, sobre as relações dentro da casa. "Flávio se disse revoltado com as relações que ele viu (na casa)", acrescentou ela. 

O conhecimento liberta. Saiba mais

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247