Juiz acata pedido da Globo e determina arrombamento da casa do fundador da Ricardo Eletro

As Organizações Globo afirmam que o empresário Ricardo Nunes lhes deve R$ 62 milhões. Nunes chegou a ser preso em 8 julho em razão de investigação que aponta sonegação fiscal de R$ 387 milhões

Ricardo Nunes
Ricardo Nunes (Foto: Divulgação)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

Revista Fórum - O juiz Antônio Carlos Santoro Filho, do Tribunal de Justiça de São Paulo, decidiu nesta quarta-feira (9) acatar um pedido das Organizações Globo e autorizar o arrombamento, com ajuda da polícia, da casa do empresário Ricardo Nunes, fundador da Ricardo Eletro. Nunes chegou a ser preso em 8 julho em razão de investigação que aponta sonegação fiscal de R$ 387 milhões, mas foi solto no dia seguinte.

Segundo informações do colunista Rogério Gentile, do portal Uol, a decisão tem como objetivo garantir a penhora de bens pessoais do empresário, que estaria devendo cerca de R$ 61,2 milhões para a Globo em razão de notas promissórias emitidas em 2017.

Leia mais na Fórum.

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como:

• Cartão de crédito na plataforma Vindi: acesse este link

• Boleto ou transferência bancária: enviar email para [email protected]

• Seja membro no Youtube: acesse este link

• Transferência pelo Paypal: acesse este link

• Financiamento coletivo pelo Patreon: acesse este link

• Financiamento coletivo pelo Catarse: acesse este link

• Financiamento coletivo pelo Apoia-se: acesse este link

• Financiamento coletivo pelo Vakinha: acesse este link

Inscreva-se também na TV 247, siga-nos no Twitter, no Facebook e no Instagram. Conheça também nossa livraria, receba a nossa newsletter e ative o sininho vermelho para as notificações.

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247