Justiça quebra sigilo do escritório de Thomaz Bastos

Em delação premiada, o ex-ministro Antonio Palocci afirmou que, em 2010, o então ministro da Justiça, Márcio Thomaz Bastos, viabilizou uma negociação entre o então presidente do Superior Tribunal de Justiça, Cesar Asfor Rocha, o Palácio do Planalto e a Camargo Corrêa, para enterrar a Operação Castelo de Areia

Márcio Thomaz Bastos
Márcio Thomaz Bastos (Foto: STF)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

247 - A Justiça Federal em São Paulo decretou a quebra do sigilo bancário e fiscal do antigo escritório de advocacia do ex-ministro da Justiça Márcio Thomaz Bastos, que faleceu em 20 de novembro de 2014 e sua banca encerrou as atividades logo depois.

A devassa nos dados do escritório de Thomaz Bastos foi determinada pelo juiz João Batista Gonçalves, da 6.ª Vara Criminal Federal de São Paulo, no âmbito da Operação Appius.

Em delação premiada, o ex-ministro Antonio Palocci afirmou que, em 2010,Thomaz Bastos viabilizou uma negociação entre o então presidente do Superior Tribunal de Justiça, Cesar Asfor Rocha, o Palácio do Planalto e a Camargo Corrêa, para enterrar a Operação Castelo de Areia. 

Em depoimento à Polícia Federal, Palocci apontou suposto repasse da empreiteira no valor de R$ 50 milhões para o governo federal, que, em troca, teria de barrar a operação.




A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247