Leblon fecha, mas não impede ato contra preconceito

Apesar de o Shopping Leblon estar fechado, algumas pessoas apareceram para o rolezinho marcado hoje (19) no local; número de participantes, no entanto, é inferior ao de jornalistas, mas a presença do pequeno grupo chama atenção dos moradores do bairro e dos clientes desavisados que foram às compras; shopping não abriu este domingo para evitar o rolezinho; do lado de fora, cerca de 30 pessoas fizeram perfomances, ao som de funk, contra o racismo e a exclusão social no país

www.brasil247.com - Apesar de o Shopping Leblon estar fechado, algumas pessoas apareceram para o rolezinho marcado hoje (19) no local; número de participantes, no entanto, é inferior ao de jornalistas, mas a presença do pequeno grupo chama atenção dos moradores do bairro e dos clientes desavisados que foram às compras; shopping não abriu este domingo para evitar o rolezinho; do lado de fora, cerca de 30 pessoas fizeram perfomances, ao som de funk, contra o racismo e a exclusão social no país
Apesar de o Shopping Leblon estar fechado, algumas pessoas apareceram para o rolezinho marcado hoje (19) no local; número de participantes, no entanto, é inferior ao de jornalistas, mas a presença do pequeno grupo chama atenção dos moradores do bairro e dos clientes desavisados que foram às compras; shopping não abriu este domingo para evitar o rolezinho; do lado de fora, cerca de 30 pessoas fizeram perfomances, ao som de funk, contra o racismo e a exclusão social no país (Foto: Romulo Faro)
Siga o Brasil 247 no Google News

Isabela Vieira
Repórter da Agência Brasil

Rio de Janeiro - Apesar de o Shopping Leblon estar fechado, algumas pessoas apareceram para o rolezinho marcado hoje (19) no local. O número de participantes, no entanto, é inferior ao de jornalistas. Mas a presença do pequeno grupo chama atenção dos moradores do bairro e dos clientes desavisados que foram às compras. O shopping não abriu este domingo para evitar o rolezinho.

Do lado de fora, cerca de 30 pessoas fizeram perfomances, ao som de funk, contra o racismo e a exclusão social no país. Fantasiado de Batman, Heron Morais Melo criticou a falta de igualdade de oportunidades entre "ricos e brancos" e "negros e pobres".

"Essa porta fechada [do shopping] é o melhor símbolo da desigualdade no nosso país. Quem não é da parte da elite, só encontra isso", disse Heron, morador de Marechal Hermes, na zona norte.

PUBLICIDADE

Em uma performance para satirizar "madames que frequentam o shopping com menor número de pobres da cidade", um participante, que não quis se identificar, disse: "Não vim para protesto, vim às compras! Pobre já aguento lá em casa, lavando, passando, levando meus filhos na escola", como crítica ao preconceito.

Para o estudante de letras e integrante da Assembleia Nacional dos Estudantes Livres (Anel), Gabriel Melo, o rolezinho é derivado das manifestações de junho de 2013. "Quando um grupo de estudantes de universidades e escolas privadas vão para a praça de alimentação e bota música alta é uma coisa, mas quando esse grupo é de jovens negros o tratamento dado pelo shopping, lojistas e segurança é outro: fecham as portas e põem para fora", disse.

PUBLICIDADE

Apesar de a Secretaria de Segurança Pública ter informado que não reforçaria o policiamento, dezenas de policiais estão próximos ao shopping. Seguranças particulares não identificados também estão no local.

O Shopping Leblon cercou, com tapumes, toda a entrada de vidro localizada na Avenida Afrânio de Melo Franco. Foram colocados cartazes avisando os clientes de que o centro comercial foi fechado para "garantir a segurança". O Shopping Rio Design Leblon, que fica do outro lado da rua, também fechou as portas, para evitar o rolezinho. Cerca de 9 mil pessoas haviam confirmado presença no ato por meio da redes sociais.

PUBLICIDADE

Do lado de fora, trabalhadores e lojistas criticaram o rolezinho. Para a dona de uma loja, que preferiu não se identificar, o shopping "é um espaço de lazer privado". "Manifestação tem que ser na porta da prefeitura, não aqui".

O conhecimento liberta. Saiba mais. Siga-nos no Telegram.

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Apoie o 247

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247

PUBLICIDADE

Cortes 247

PUBLICIDADE
WhatsApp Facebook Twitter Email