Médico de Michael Jackson fala pela 1ª vez na televisão

Cardiologista Conrad Murray foi entrevistado em programa de tev americano; Murray admitiu ter deixado o quarto para dar alguns telefonemas enquanto Jackson dormia sob o efeito do propofol

Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

O médico Conrad Murray foi entrevistado pelo programa norte-americano Today Show. No especial, que irá ao ar ainda essa semana, o médico de Michael Jackson conta pela primeira vez a sua versão dos fatos que levaram a fatídica morte do cantor. Murray não prestou depoimento durante o julgamento.

- Não, eu não estava distraído. Mas ao ver um homem que todas as noites não conseguia dormir, que estava desesperado de sono, finalmente dormindo, eu não ia sentar a seu lado, acariciar seus pés e fazer qualquer coisa que possa acordá-lo.

Ele admitiu ter deixado o quarto para fazer alguns telefonemas, dizendo que não podia mais ver Michael.

- Pensei que se ele se levantasse e me chamasse, eu o ouviria. Ela não estava em uma infusão, o que o faria parar de respirar. Por isso que eles falavam que eu não deveria monitorar ele naquele momento, não havia necessidade.

O médico ainda tentou explicar o motivo de sua demora para ligar para emergência:

- Ninguém está autorizado a subir, exceto o Sr. Jackson. Seus seguranças não têm autorização para entrar na casa. Dizer: Ligue para o 911, ainda exigiria que o segurança retornasse minha ligação. Eu acho que ele não faria isso e eu não ia dar uma explicação completa pelo telefone

Além disso, para Conrad, falar sobre o Propofol não se tornou importante no momento em que os paramédicos chegaram porque já havia passado tempo demais e Michael não estava mais sobre o efeito do medicamento.

- Propofol não é recomendado para ser usado em casa, mas não é contra-indicado. Minha situação com o Michael não era de dar o remédio a ele, mas de tentar encontrar um método de tirar dele algo que ele não deveria usar por conta própria.

 

 

 

O conhecimento liberta. Saiba mais. Siga-nos no Telegram.

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247

WhatsApp Facebook Twitter Email