MP do Rio faz operação contra suplente de Flordelis por rachadinha

O MP-RJ cumpre mandados de busca e apreensão em endereços do ex-deputado estadual Pedro Augusto (PSD) e outros três assessores. O relatório do Coaf identificou uma movimentação atípica de R$ 4,1 milhões de ex-assessores de Pedro Augusto entre janeiro de 2016 a janeiro de 2017

Ex-deputado Pedro Augusto (PSD) e Flordelis
Ex-deputado Pedro Augusto (PSD) e Flordelis (Foto: Reprodução)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

247 - O Ministério Público do Estado do Rio de Janeiro (MP-RJ) cumpre nesta terça-feira (20) mandados de busca e apreensão em endereços do ex-deputado estadual Pedro Augusto (PSD) e outros três assessores. O relatório do Coaf identificou uma movimentação atípica de R$ 4,1 milhões de ex-assessores de Pedro Augusto entre janeiro de 2016 a janeiro de 2017. 

Pedro Augusto é o 1º Suplente do PSD do Rio de Janeiro na Câmara dos Deputados e, caso a deputada federal Flordelis, tenha o mandato cassado, é Pedro Augusto quem assume a vaga. A deputada é acusada pela Polícia Civil do Rio de ser a mandante da morte do marido, o pastor Anderson do Carmo.

Com a operação, Pedro Augusto passa a ser mais um parlamentar com passagem pela Alerj investigado por "rachadinha". Além dele, o senador Flávio Bolsonaro e o deputado Márcio Pacheco (PSC-RJ), ex-líder do governo de Wilson Witzel na Alerj, são investigados. Este último foi denunciado por peculato. 

As investigações sobre Pedro Augusto estão sob sigilo e começaram a partir do relatório do Conselho de Controle de Atividades Financeiras (Coaf) em 2018, sendo o mesmo relatório que originou a investigação sobre o senador Flávio Bolsonaro e Fabrício Queiroz, também pelo esquema de "rachadinha", em que se recolhe parte dos salários de funcionários em benefício do parlamentar.

Os mandados foram pedidos após investigações do Grupo de Atuação Especializada no Combate à Corrupção (GAECC/MPRJ). Também participam da operação agentes da Coordenadoria de Segurança e Inteligência (CSI/MPRJ), da Polícia Civil, e do Departamento Geral de Combate à Corrupção e ao Crime, ao Crime Organizado e à Lavagem de Dinheiro (DGCOR-LD).

O conhecimento liberta. Saiba mais

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247