MP-RJ pede afastamento de Flordelis após explosão de bomba na casa de testemunha

O Ministério Público do Rio pediu o afastamento da deputada Flordelis (PSD-RJ) de sua função pública como parlamentar, acusada de mandar matar o seu marido, o pastor Anderson do Carmo. O MP-RJ quer a aplicação de recolhimento domiciliar noturno e monitoramento por tornozeleira eletrônica

Deputada Federal Flordelis
Deputada Federal Flordelis (Foto: Claudio Andrade/Câmara dos Deputados)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

247 - O Ministério Público do Rio de Janeiro (MP-RJ) pediu o afastamento da deputada federal Flordelis (PSD-RJ) de sua função pública como parlamentar, acusada de mandar matar o seu marido, o pastor Anderson do Carmo. O MP-RJ quer a aplicação de recolhimento domiciliar noturno e monitoramento por tornozeleira eletrônica. O pedido foi encaminhado para a 3ª Vara Criminal da Comarca de Niterói, mas ainda não houve decisão judicial.

O promotor Carlos Gustavo Coelho de Andrade, que assinou o documento, citou o depoimento de Regiane Ramos Cupti Rabello, que relatou à Justiça um atentado na sua casa com a explosão de uma bomba em seu quintal. Ela disse que, em 3 de setembro, por volta das 23h30, estava dormindo em sua residência quando ouviu um "enorme estrondo", e um "forte clarão" entrou em sua casa. Os relatos foram publicados em reportagem da Carta Capital

De acordo com Regiane, o atentado ocorreu após os advogados da parlamentar terem acesso às oitivas de Lucas dos Santos, filho da parlamentar acusado de envolvimento na morte de Anderson do Carmo. Ele, que também é réu, depôs no inquérito e disse que recebeu a proposta para cometer o crime. Após o atentado, disse que se sente insegura e com medo, "ainda mais diante da liberdade da ré", que tem imunidade parlamentar.

"Neste quadro de incerteza acerca do paradeiro da ré, que não estava sendo encontrada nem em Niterói nem em Brasília, verificou-se o atentado com explosivos contra Regiane, testemunha arrolada na denúncia, cuja autoria está sendo investigada pela Polícia", sustenta o promotor.

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como:

• Cartão de crédito na plataforma Vindi: acesse este link

• Boleto ou transferência bancária: enviar email para [email protected]

• Seja membro no Youtube: acesse este link

• Transferência pelo Paypal: acesse este link

• Financiamento coletivo pelo Patreon: acesse este link

• Financiamento coletivo pelo Catarse: acesse este link

• Financiamento coletivo pelo Apoia-se: acesse este link

• Financiamento coletivo pelo Vakinha: acesse este link

Inscreva-se também na TV 247, siga-nos no Twitter, no Facebook e no Instagram. Conheça também nossa livraria, receba a nossa newsletter e ative o sininho vermelho para as notificações.

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247